Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Como classifica o nível da pandemia em Portugal?
Normal que haja surtos pontuais
Anormal e a culpa é do Governo
Anormal e a culpa é do comportamento das pessoas
Não sei
Edição Nº 233 Director: Mário Lopes Segunda, 15 de Junho de 2020
Universidade do Minho acredita curso Fabrico Digital Direto para as Indústrias dos Polímeros e Moldes
Politécnico de Leiria anuncia 1º doutoramento entre politécnicos e universidades
    
   Universidade do Minho acredita o curso durante seis anos
O programa de doutoramento em Fabrico Digital Direto para as Indústrias dos Polímeros e Moldes, o primeiro desenvolvido em associação entre o Politécnico de Leiria e a Universidade do Minho, vai arrancar no próximo ano letivo de 2020/2021 com 15 vagas, e terá a duração de seis semestres. Este ciclo de estudos, fruto de uma parceria inédita no País, que, pela primeira vez, junta um politécnico e uma universidade na criação de um programa doutoral, acaba de ser aprovado com a acreditação máxima atribuída pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), sendo válido por um período de seis anos.

   O ciclo de estudos será ministrado na Universidade do Minho, Campus de Azurém, em Guimarães, e no Politécnico de Leiria, na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG), envolvendo também diretamente dois centros de investigação, o IPC - Instituto de Polímeros e Compósitos da Universidade do Minho e o CDRsp - Centro para Desenvolvimento Rápido e Sustentado de Produto do Politécnico de Leiria, avaliados pela Fundação pela Ciência e a Tecnologia com Muito Bom e Excelente, respetivamente. As atividades letivas e de investigação serão partilhadas por Professores e Investigadores da Universidade do Minho e do Politécnico de Leiria. O grau de doutor será conferido pela Universidade do Minho, no ramo de doutoramento em Ciência e Engenharia de Polímeros e Compósitos, e a este ciclo de estudos poderão candidatar-se os titulares do grau de Mestre em Engenharia ou equivalente legal, os licenciados em engenharia em áreas afins detentores de um currículo escolar ou científico especialmente relevante, e quem apresente um currículo escolar, científico ou profissional, que seja reconhecido pelo Conselho Científico da Escola de Engenharia como atestando capacidade para a realização deste doutoramento.

   «A Universidade do Minho e o Politécnico de Leiria têm vindo a trabalhar de forma estreita e sistemática desde 1997. Os tópicos de interesse científico do IPC, da Escola de Engenharia da Universidade do Minho, e da ESTG e do CDRSP, do Politécnico de Leiria, cruzam-se e permitem sinergias que se tem vindo a revelar catalisadoras de novas ideias e projetos», entende Rui Vieira de Castro, reitor da Universidade do Minho. «A criação conjunta do programa de doutoramento permitirá multiplicar as atividades conjuntas e obter resultados científico-tecnológicos cuja transferência para as empresas contribuirá seguramente para a valorização das empresas e das regiões abrangidas por estas duas instituições de ensino superior, e terá também um efeito multiplicador ao nível nacional e internacional», salienta o reitor.

   «Este é o primeiro doutoramento em associação que envolve um Politécnico e uma Universidade em Portugal. É um marco histórico e um devido reconhecimento da capacidade científica do Politécnico de Leiria, da ESTG e do CDRSP – Centro para o Desenvolvimento Rápido e Sustentável do Produto», considera Rui Pedrosa, presidente do Politécnico de Leiria. «Este é um doutoramento de interface que será suportado pelo desenvolvimento de investigação orientada para o desenvolvimento de soluções para as empresas numa área de ponta e de futuro, a fabricação direta digital. Esta parceria com a Universidade do Minho reforça a colaboração histórica entre as nossas instituições, nomeadamente na investigação e inovação que temos feito em conjunto em muitos projetos com empresas, principalmente no setor dos moldes e dos polímeros. Por essa razão, este programa doutoral, que consideramos de interface, contou com o suporte de 13 empresas e oito instituições não empresariais», explica o presidente do Politécnico de Leiria.

   O programa de doutoramento em Fabrico Digital Direto para as Indústrias dos Polímeros e Moldes pretende formar recursos humanos altamente qualificados na vanguarda do domínio científico do Fabrico Digital Direto nas indústrias de polímeros e moldes, que integrem empresas e entidades tecnologicamente avançadas, e que, através do conhecimento, promovam o progresso sustentado dos tecidos industrial e social. Neste sentido, este ciclo de estudos procurará adequar a formação dos doutorandos ao exercício de uma atividade científica e profissional multidisciplinar, de elevada exigência, e dará suporte à consolidação dos pólos de competitividade e tecnologia e setores industriais relevantes.

   «A criação deste doutoramento é uma aposta estratégica e um investimento das duas instituições de ensino ao nível industrial, económico e social, e também ao nível de estratégia e contexto politico. Ambas possuem um grande historial de cooperação e envolvimento na área de estudos deste doutoramento», reforça Rui Pedrosa. «Em 2013, no âmbito da submissão da “Portuguese Additive Manufacturing Initiative – PAMI”, infraestrutura científica e tecnológica liderada pelo Politécnico de Leiria, propusemos a criação de formação orientada para as tecnologias de Direct Digital Manufacturing (DDM), e, nos últimos três anos, no âmbito de projetos de investigação e desenvolvimento aprovados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), foram realizados, com o envolvimento do Politécnico de Leiria e da Universidade do Minho, vários projetos, entre os quais se destacam o add.additive, produtech.SIF, tooling4G, e Fibr3D, que, na sua linha de investigação, contam com o Fabrico Digital Direto como pilar preponderante», sustenta o presidente do Politécnico de Leiria.

   Por sua vez, Rui Vieira de Castro destaca que «a criação de laboratórios colaborativos, nomeadamente o DTx, em que a Universidade do Minho é um dos promotores e principal ator técnico-científico, o acordo de cooperação desenvolvido pela Universidade do Minho com a Bosch, que levou à criação do DONELab, laboratório dedicado ao Fabrico Digital Direto, mas também o acordo do Politécnico de Leiria com a Siemens, constituem elementos catalisadores e promissores para o sucesso do doutoramento em Fabrico Digital Direto». O reitor considera também «extremamente relevante a enorme quantidade de PME que, nas regiões norte e centro, no Minho e Beira Litoral, vão beneficiar com esta atualização de know-how científico e tecnológico dos seus colaboradores, e com a captação de novos e motivados recursos humanos formados para uma indústria de futuro e com futuro».

   Fonte: Midlandcom
15-06-2020
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Estatuária, Memória e Democracia
Leonor Carvalho
As grandes epidemias da História
Joaquim Vitorino
Dever de informar
Carlos Bonifácio
A Pandemia… dos ignorados
Dr. Joaquim Brites
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o