Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
O Estado deve deixar de financiar escolas privadas e cooperativas?
Sim
Não
Só escolas privadas
Não sei / talvez
Edição Nº 198 Director: Mário Lopes Sábado, 15 de Abril de 2017
Em protocolo com a Associação Dignitude
Município de Santarém associa-se à Rede Solidária do Medicamento
   O Executivo Municipal aprovou, no dia 10 de abril, por unanimidade, em reunião de Câmara, a celebração de um protocolo com a Associação Dignitude, entidade responsável pelo desenvolvimento, operacionalização e gestão do Programa abem: Rede Solidária do Medicamento, com o objetivo de garantir o acesso ao medicamento em ambulatório a qualquer cidadão que se encontre numa situação de carência económica, que o impossibilite de adquirir os medicamentos comparticipados que lhe sejam prescritos por receita médica.

   Os destinatários deste programa são, em geral, beneficiários de prestações sociais de solidariedade e todos os que se deparam com uma situação inesperada de carência económica, decorrente de desemprego involuntário ou de doença incapacitante, entre outras situações de carência.

   O Município de Santarém vai colaborar na implementação de estratégias de mobilização da sociedade civil, para os objetivos de filantropia e de solidariedade subjacentes ao Programa abem - Rede Solidária do Medicamento, nomeadamente, através da disponibilização da sua capacidade agregadora, de envolvimento e de dinamização da sociedade civil e do tecido empresarial para prossecução de objetivos específicos, bem como através da sua promoção, divulgação e comunicação, a par dum contributo financeiro para a respetiva implementação, estipulado em 100 Euros de comparticipação solidária, por cada beneficiário identificado, registado e validado pelo Programa abem, através das suas competências e experiência na referenciação de indivíduos socialmente vulneráveis.

   Este programa é o primeiro projeto de impacto nacional dinamizado pela Associação Dignitude, da qual a Cáritas Portuguesa é cofundadora e que tem como missão acabar com a discriminação no acesso ao medicamento.

   Este é mais um reforço para o sucesso de um programa que vem responder a uma das mais evidentes dificuldades das famílias portuguesas, o acesso ao medicamento. É uma realidade sustentada nos números que nos dizem que 22,8% dos portugueses não compram os medicamentos que lhes são prescritos, por dificuldades económicas.

   O projeto, ainda em fase-piloto, agrega os esforços dos sectores da saúde e social e deve estar presente em todos os distritos do País, até final de 2017.

   Fonte: GRPC|CMS
15-04-2017
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
João Matias, Mandatário da Juventude do CDS
Por Carlos Bonifácio
A minha candidatura à Câmara Municipal de Alcobaça
Isabel Fonseca
Doença de Parkinson afeta 18 mil portugueses
Dr. Miguel Coelho
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o