Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Como classifica o nível da pandemia em Portugal?
Normal que haja surtos pontuais
Anormal e a culpa é do Governo
Anormal e a culpa é do comportamento das pessoas
Não sei
Edição Nº 80 Director: Mário Lopes Terça, 26 de Junho de 2007
Museu Alfredo Keil, Casa da Literatura António Lobo Antunes, Centro de Ciência Viva e Mercado das Artes
Câmara Municipal de Torres Novas projecta cidade criativa

     


Assinatura do protocolo

O espólio do músico, pintor e poeta Alfredo Keil vai ficar em Torres Novas, num museu a instalar na Casa do Paço. O protocolo para instalação do Museu Alfredo Keil foi assinado no dia 23 de Junho, no jardim do Castelo, por António Rodrigues, presidente da Câmara Municipal e por Francisco Keil do Amaral, bisneto do autor da Portuguesa, na presença do secretário de Estado da Cultura, Mário Vieira de Carvalho. No âmbito do QREN, a autarquia aposta no projecto Turris XXI - Cidade Criativa, que incluirá não apenas o Museu Nacional Alfredo Keil, mas também a Casa da Literatura António Lobo Antunes, o mercado das artes e o Centro de Ciência Viva. 

      O Museu Nacional Alfredo Keil deverá ser instalado no antigo edifício do Paço, estando prevista a sua inauguração em 2010, ano em que se celebra o centenário da República. A escolha de Torres Novas para a instalação do acervo de Keil do Amaral deveu-se às condições vantajosas oferecidas por esta cidade à família do autor do Hino Nacional, depois de negociações com outras autarquias terem falhado.

      Por sua vez, a escolha desta cidade para a instalação do acervo de António Lobo Antunes deve-se, em grande parte, ao facto de um dos irmãos do escritor (Pedro Lobo Antunes) ser vereador na autarquia torrejana. O acervo pessoal do escritor deverá ser instalado na Casa dos Condes, onde funcionam actualmente os Paços do Concelho, depois de obras de adaptação. Segundo a Lusa, a autarquia quer tornar a Casa da Literatura um «centro de estudos da obra» de António Lobo Antunes, estando previsto um «centro de acolhimento de escritores», numa valência residencial e espaços de trabalho de investigação.

      A autarquia quer operar uma verdadeira revolução em Torres Novas. Assim, os Paços do Concelho passarão a funcionar no antigo Convento do Carmo, enquanto o Centro Ciência Viva ficará instalado na antiga Central Eléctrica. Ainda de acordo com Lusa, o antigo Mercado do Peixe será transformado num centro de artes, com espaço para residências artísticas nas áreas da dança, da música, do teatro e das artes plásticas. Obras no Castelo, a inauguração da Biblioteca Municipal e a ampliação do Jardim das Rosas completam os projectos que a autarquia quer candidatar ao Quadro de Referência Estratégica Nacional QREN, totalizando 12,5 milhões de euros.

O Museu Nacional Alfredo Keil

      O presidente da Câmara Municipal, António Rodrigues, considerou a cerimónia de assinatura do protocolo o "ponto de partida para algo mais importante", o projecto que designou por "Cidade Criativa". O município quer candidatar este projecto ao Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN), que visa a recuperação de edifícios públicos municipais para serem utilizados gerando maior vivência no centro histórico.

      O Museu Alfredo Keil vai acolher numerosas obras a óleo, além dos cadernos de esboços e estudos, colecções de bilhetes de espectáculos, programas e catálogos, objectos pessoais, fotografias, correspondência, condecorações, desenhos e objectos alusivos à Portuguesa.

      Francisco Keil do Amaral considerou a cerimónia em Torres Novas como o "princípio do fim de uma longa caminhada que tem procurado dar um destino condigno e útil ao espólio". Segundo explicou o bisneto de Alfredo Keil, a criação do Museu em Torres Novas surgiu devido a um contacto ocasional com o vereador Pedro Lobo Antunes: “Pela primeira vez em muitos anos alguém nos procurou com uma proposta, um espaço e um projecto cultural com sentido. Não fomos nós a tentar impingir a nossa ideia".

      A cerimónia foi abrilhantada pela Banda Operária Torrejana, colectividade que irá partilhar a Casa do Paço com o Museu Alfredo Keil. À noite, no Café Concerto, teve lugar um apontamento musical em memória de Alfredo Keil, ao qual se seguiu no Teatro Virgínia, um espectáculo da Companhia Paulo Ribeiro "Malgrès Nous, Nous Étions Lá", dueto em que participa Leonor Keil, trineta de Alfredo Keil.

      Fonte: Gabinete de Imprensa da Câmara Municipal de Torres Novas e Agência Lusa

26-06-2007
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
EDITORIAL
A Linha do Oeste, o TGV e o Aeroporto da Ota
Mário Lopes
OPINIÃO
Perpetuum mobile - Celebrar a Continuidade
Miguel Sobral Cid
XV Cistermúsica - Festival de Música de Alcobaça
Alexandre Delgado
Óbidos já é uma “Maravilha de Portugal”, mas...
Carlos Orlando Rodrigues
A importância da arquitectura nas cidades com património histórico
Carlos Bonifácio
“Ao Menino e ao Borracho mete Deus a mão por baixo…”
Isabel Ferreira e Margarida Batalha
De novo a diáspora?! Ou multilocalidade?
Alzira Simões
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o