Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Concorda que a "Geringonça" morreu?
Sim
Não
Não sei / talvez
Edição Nº 220 Director: Mário Lopes Sexta, 22 de Março de 2019
Secretários de Estado do Ambiente e da Administração Local marcaram presença na inauguração do espaço
Parque Verde inaugurado em Alcobaça
para promover ambiente, cultura e desporto
   
    Descerramento da placa de inauguração do Parque Verde
Em ambiente de festa, os secretários de Estado do Ambiente, Carlos Martins, o secretário de Estado da Administração Local, Carlos Miguel, o presidente da Câmara Municipal de Alcobaça, Paulo Inácio, e a presidente da CCDR do Centro, Ana Abrunhosa, inauguraram esta quinta-feira, 20 de março, primeiro dia da primavera, o Parque Verde de Alcobaça. O novo espaço ambiental, cultural e desportivo está situado a leste da cidade, acompanhando as duas margens do Rio Alcoa numa extensão de cerca de um quilómetro. O orçamento, com recurso a verbas europeias, ascendeu a 2,5 milhões de euros.

    Presentes nesta tarde soalheira estiveram também Virgolino Jorge, Professor da Universidade de Évora e especialista na hidráulica cisterciense, os presidentes das Câmaras Municipais do Oeste, Isabel Damasceno, vice-presidente da CCDR do Centro, Raul Castro e Paulo Batista Santos, presidentes das Câmaras Municiais de Leiria e da Batalha, respetivamente, os presidentes da Assembleia Municipal e das juntas de freguesia do concelho, e muitas centenas de populares.

   
       Primeira aula de skate no Parque Verde de Alcobaça
Paulo Inácio foi o primeiro a subir ao palco elogiando a qualidade do projeto do Parque Verde. O autarca recordou que o projeto foi escolhido de forma anónima em concurso público, mas que o nome dos autores - Sérgio Guerra e Hugo Pimenta - se revelou uma agradável surpresa, por se ter verificado serem dois jovens arquitetos alcobacenses e não um nome já consagrado da arquitetura nacional, como se chegou a pensar.

    Por sua vez, o Prof. Virgolino Jorge recordou que o Parque Verde é atravessado por três linhas de água: rio, levada e aquedudo, todos marcados pela intervenção da Ordem de Cister desde o século XII.

   
Inauguração do Parque muito concorrida numa quinta-feira
Já Ana Abrunhosa realçou que este projeto só foi possível graças à vontade do presidente da Câmara em melhorar a qualidade de vida dos alcobacenses e à existência de fundos comunitários disponíveis. A presidente da CCDR do Centro elogiou a qualidade do corpo técnico da Câmara Municipal pela sua eficiência, com quem é muito fácil trabalhar, assim como os autarcas recordando que sem eles não se teria verificado a transformação urbana nas últimas décadas em todo o País. Também o contributo da União Europeia para este projeto foi realçado, apesar das críticas de que tem sido alvo nos últimos tempos.

   Por seu turno, o secretário de Estado da Administração Local assegurou que hoje os autarcas se preocupam com a atratividade do seu território e que este equipamento serve a população e é diferenciador para cativar pessoas e empresas. Carlos Miguel recordou também que atualmente uma Câmara Municipal precisa de fundos comunitários para fazer obra nova porque os orçamentos das Câmaras municipais servem essencialmente para conservar os equipamentos sociais e para prestar serviços á população.