Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
De momento não existem Sondagens activas.
Ver Sondagens Anteriores
Edição Nº 84 Director: Mário Lopes Quinta, 1 de Novembro de 2007
Investimento de 240 mil euros
Núcleo de Óbidos da Escola de Hotelaria e Turismo terá capacidade para 60 alunos

         


Telmo Faria, Bernardo Trindade,
António Carneiro e Franco Pinto

O núcleo de Óbidos da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste foi inaugurado no dia 30 de Outubro, pelo secretário de Estado do Turismo, Bernardo Trindade. A nova escola de nível IV, com cursos pós 12º ano, representa um investimento de 240 mil euros por parte do Turismo de Portugal e de 120 mil euros por parte do Município de Óbidos. Tutelada pela Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra, a oferta resume-se a três cursos: Técnicas de Turismo, Técnicas e Gestão de Turismo e um curso de Pastelaria, que funcionará a partir de Janeiro de 2008.

     Estiveram presentes na inauguração, além de Bernardo Trindade, secretário de Estado do Turismo; Telmo Faria, presidente da Câmara Municipal de Óbidos; António Carneiro, presidente da Região de Turismo do Oeste; Franco Pinto, em representação do Governador Civil de Leiria; Nuno Santos, vogal do conselho directivo do Turismo de Portugal; Ana Paula Pais, directora da Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra, escola que coordena o núcleo de Óbidos; António Araújo, coordenador da  Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste; Isabel Vigia, deputada, além de vários presidentes das juntas de freguesia, bem como dos alunos que já integram a escola.

    A nova estrutura formativa resulta de um protocolo celebrado entre o Turismo de Portugal - que adquiriu o equipamento operacional e pedagógico necessário à formação dos alunos - e a Câmara Municipal de Óbidos, responsável pelas obras de adaptação do edifício Espaço São Tiago à nova escola. Dotada de três salas de aulas, pastelaria, economato, balneários, sala de professores, secretaria e sala de coordenação, a nova unidade escolar encontra-se preparada para a formação prática na área da pastelaria, assim como para as técnicas e gestão de turismo, para alunos com o 12º ano de escolaridade.
 
    O funcionamento pleno desta estrutura formativa permitirá, anualmente, a frequência de 60 alunos em qualificação inicial ou especialização tecnológica, para as áreas de Pastelaria e Técnicas e Gestão de Turismo, bem como ministrar acções de qualificação, especialização e aperfeiçoamento dirigidas aos profissionais da hotelaria, restauração e turismo, para cerca de 100 formandos. O novo pólo da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste, localizado na Vila de Óbidos, pretende continuar a valorizar os recursos humanos do sector, segundo o consignado no Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT).

     


Visita à cozinha

Telmo Faria referiu na sua intervenção que este é um momento de “congratulação e alegria” porque foi “um processo conturbado, difícil, mas que a partir de determinada altura ganhou segurança e estabilidade para crescer.” Para o presidente do Município de Óbidos, esta escola “além de ser um bem para os jovens” é também “um bem para a vila de Óbidos”, defendendo a sua integração dentro do centro histórico da vila por valorizar “uma das 7 Maravilhas de Portugal”.

       O autarca aproveitou a ocasião para agradecer a Bernardo Trindade por “ter dado estabilidade depois do início conturbado do processo.”  Agora, “vejo mais confiança nos investidores, nos nossos jovens e mais confiança no desenvolvimento”, disse o autarca, considerando que “vale a pena investir numa região que está atenta às matérias de formação.”

      Por sua vez, António Carneiro revelou que para o ano irá abrir um novo pólo da Escola de Hotelaria e Turismo em Torres Vedras, uma iniciativa da Região de Turismo do Oeste e da ESCO – Escola de Serviços Comerciais do Oeste. Segundo o presidente da Região de Turismo do Oeste, “é um velho sonho trazer para o Oeste um núcleo escolar” e, por isso, considerou ser um “marco histórico” conseguir abrir institucionalmente esta escola. Este núcleo permitirá “dar ferramentas de trabalho qualificadas aos empresários”, porque “somos muito mais necessitados de mão-de-obra qualificada que alguns países europeus.”

      António Carneiro destacou também o papel da Região de Turismo do Oeste na “promoção interna e externa da região” e lembrou que o Oeste foi considerado pelo Governo um dos cinco pólos do Continente indispensáveis para que o País atinja os 15% de PIB nacional na área do turismo. O presidente da Região de Turismo do Oeste referiu que a região tem neste momento investimentos de 2500 milhões de euros, mas ressalvou que a região deve manter o seu verde porque “é este vastíssimo conjunto rural que faz a diferença” e, por isso, “todos temos a obrigação de o saber preservar e colocar á disposição do turista.”

     


Ana Paula Pais explica o funcionamento
da escola

Por seu turno, Nuno Santos destacou “a importância da formação turística”, respondendo assim ao desafio lançado pelo secretário de Estado do Turismo sobre a necessidade de dotar esta área de qualificação. O vogal do conselho directivo do Turismo de Portugal explicou que neste momento estão  a realizar análises de cruzamento de oferta e procura para saber onde é que o Estado precisa ainda de investir. Nuno Santos apontou também a necessidade de maior de exigência no sector e, por isso, os cursos viram reforçadas as áreas de línguas e de tecnologia, fundamentais para o seu sucesso.

       Segundo Bernardo Trindade, “esta inauguração decorre de uma estratégia clara do Governo de resolver” o problema da formação e qualificação no sector. Segundo o Secretário de Estado do Turismo, “Óbidos tinha que se concretizar”, pois não bastava ter infra-estruturas e investimentos, “tínhamos de ter capital humano especializado.”

       Referindo-se à questão da reorganização da Regiões de Turismo, Bernardo Trindade referiu que “queremos dar dimensão às Regiões de Turismo, queremos garantir que a intervenção se estenda a todo o território nacional”, mas “não vamos esquecer as marcas que consagramos no âmbito do Plano Nacional de Turismo”. Para o Secretário de Estado do Turismo, “hoje todos somos importantes para afirmar esta realidade económica.

A Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste
 
     


Núcleo de Óbidos da Escola de Hotelaria
e Turismo do Oeste

A Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste é tutelada pela Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra e tem para oferecer aos alunos três cursos: Técnicas de Turismo, Técnicas e Gestão de Turismo e um curso de Pastelaria, que funcionará apenas a partir de Janeiro de 2008.

    Segundo Ana Paula Pais, a escola já funcionou no ano passado em instalações provisórias na Casa da Música em Óbidos, com uma primeira turma do curso de Técnicas de Turismo. Neste momento, a escola tem 21 alunos no curso de Técnicas de Turismo e 12 alunos no curso de Técnicas e Gestão de Turismo. Em Janeiro de 2008 irão iniciar um curso de especialização tecnológica em pastelaria avançada, que permitirá formar alunos nas áreas de chocolates, gelados e açucares. As turmas deverão contar com cerca de 15 a 20 alunos, uma vez que as instalações não têm dimensão para classes maiores. No total, haverá em Óbidos, no máximo, cerca de 60 alunos.

    Segundo a directora da Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra, um dos objectivos é criar em Óbidos um pólo de excelência de Pastelaria. Todos os cursos são presenciais, sendo exigido que os jovens estejam se dediquem exclusivamente à formação, mesmo que já tenham trabalhado na área. Os alunos são maioritariamente da região, nomeadamente, de Óbidos, Caldas da Rainha, Marinha Grande e Torres Vedras. Contudo, no caso da Pastelaria Avançada, deverá contar com alunos de todas as partes do País, dado ser a única escola do Turismo de Portugal com este curso.

    O curso terá a duração de dois anos, que depois da reformulação de Bolonha permitirá concluir um curso de nível superior em universidades com as quais existem protocolos de colaboração. Os cursos têm uma propina mensal, no valor de 100 eutos, à semelhança dos cursos de Nível IV de outras escolas do País. A maior parte dos alunos paga essa propina, exceptuando aqueles provenientes de famílias com algumas dificuldades económicas que podem candidatar-se a apoios sociais. Todos os cursos têm estágios, sendo a formação prática, por princípio, estabelecida com hotéis de proximidade.

01-11-2007
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
EDITORIAL
A escola da Calçada de Carriche
Mário Lopes
OPINIÃO
Portugal e as Migrações: “Novos e Velhos Desafios”
Henrique Tigo
O Arquitecto Eugénio dos Santos
Luís Rosa
A nova cruz alta de Fátima
D. Serafim Ferreira e Silva
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o