Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Leiria tem condições para ser Capital Europeia da Cultura?
Sim
Não
Não sei / talvez
Edição Nº 205 Director: Mário Lopes Segunda, 20 de Novembro de 2017
III Colóquio do Atlântico
Câmara de Santarém acolhe conferência sobre
o seu antigo presidente Joaquim Maria da Silva
   A Câmara de Santarém acolhe, dia 28 de novembro, às 18h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, a Conferência “Filosofia Política de Joaquim Maria da Silva. Pessoa, Comunidade e Bem”, por Carlos Pacheco Amaral, Presidente da Comissão Organizadora dos Colóquios do Atlântico, integrada no III Colóquio do Atlântico.

   A sessão de abertura desta Conferência conta com a presença de Ricardo Gonçalves, presidente da Câmara de Santarém, António Braz Teixeira, do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira, Carlos Pacheco Amaral, da Universidade dos Açores e Manuel Cândido Pimentel, da Universidade Católica Portuguesa.

   A 3ª edição desta iniciativa, que decorre em Lisboa, Santarém e em Angra do Heroísmo, de 26 a 29 de novembro, é dedicada ao estudo da vida, obra e pensamento de Joaquim Maria da Silva (1830-1915) – filósofo, liberal, professor, que também foi Presidente da Câmara de Santarém, de 1884 a 1886, e professor do Liceu Nacional de Santarém, onde exerceu o cargo de reitor durante cerca de 40 anos.

   Em 1884, quando foi empossado Presidente Câmara Municipal desta Cidade, deu indicações para a construção do Matadouro Municipal e foi durante a sua gestão que uma comissão executiva, composta por João Fagundes da Silva e João Baptista Augusto dos Santos, redigiu o Regulamento do Matadouro Municipal e Talhos de Santarém.
A ideia da construção da Ponte D. Luís, em 1866, deve-se não só à Junta Geral do Distrito de Santarém, mas também a Joaquim Maria da Silva, uma das personalidades mais evidentes em Santarém, na segunda metade do século XIX.

   Joaquim Maria da Silva fundou o Jornal “O Scalabitano”, que redigiu e dirigiu. primeiro número data de 13 de novembro de 1856, altura em que formou a Empresa Tipográfico-Scalabitana, que sustentou a edição deste jornal, que existiu até 15 de julho de 1857.

   Fixou-se em Santarém, onde tinha família, casou e viveu. Advogado e professor liceal, integrou a elite intelectual da então vila de Santarém, e privou, entre ouros, com Alexandre Herculano, de quem era amigo pessoal e advogado.
O seu nome é recordado na Rua Joaquim Maria da Silva, em Tremês, Santarém, inaugurada em 2007.

   Joaquim Maria da Silva, nasceu em Angra do Heroísmo – Açores, em 1830 e faleceu em Lisboa, a 27 de setembro de 1913. Jurista, bacharel em Direito pela Universidade de Coimbra em 1854, notabilizou-se pelo seu pensamento político.

   Autor de algumas obras de Filosofia Política, nesse mesmo ano de 1854, publicou na cidade do Porto, logo após ter terminado o curso, uma obra intitulada “Federação ibérica”, ou ideias gerais sobre o que convém ao futuro da península, considerada uma das obras pioneiras do republicanismo federal. Defendia o ideário iberista na forma do republicanismo federal. Procurou inspiração no caldo doutrinário pacifista, republicano, federal, internacionalista e utópico que então atraía a juventude inconformista, visível na obra que aborda dois temas distintos: a criação da Federação Ibérica e um projeto de bases para uma Constituição Federal dos Estados Unidos da Ibéria.

   Embora remeta para um futuro distante a concretização dos ideais defendidos, defendia ter como objetivo contribuir para a construção da respublica ideal, através da reunião da família dos povos peninsulares.

   Reconheceu obstáculos e resistências, e conclui ser esse o caminho que deve ser trilhado pelos povos da Península Ibérica.

   Considerado como paradigma do pensamento político utópico português oitocentista, o texto encerra em tom otimista: “Felizes os que então viverem! Beneméritos da humanidade os que concorrerem com os seus esforços e vontades para o alcance e realização dessa idade de ouro, de paz, de fraternidade”.

   Os Colóquios do Atlântico são promovidos pelo Instituto de Filosofia Luso-Brasileira e pelo Centro de Estudos Humanísticos da Universidade dos Açores, em parceria com o Centro de Estudos de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa, e contam com o alto patrocínio do governo da Região Autónoma dos Açores.

   Esta iniciativa realiza-se anualmente, em Lisboa e nos Açores, e tem por objetivo o estudo de figuras relevantes do pensamento e da cultura portuguesa oriundas daquele arquipélago, bem como de temas e problemas culturais e especulativos que tenham recebido contribuição significativa ou encontrado expressão individualizada em autores ou personalidades açorianas.

   As organizações dos Colóquios do Atlântico tiveram início em 2015, com o estudo da obra e do pensamento de José Enes (1924-2013), e prosseguiram no ano seguinte, sobre o estudo da obra e do pensamento de Gustavo de Fraga (1922-2003).
Já estão publicadas as Atas do I Colóquio do Atlântico, dedicado a José Enes, e está em curso a publicação das Atas do II Colóquio, consagrado à obra e pensamento de Gustavo de Fraga.

   Para mais informações, consulte: http://coloquiosdoatlantico.webnode.com/

Fonte: GRPC|CMS
20-11-2017
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Pela Conclusão da IC3/A13
Tiago Carrão
Posição do CDS sobre os documentos previsionais do Municipio de Alcobaça para 2019
Carlos Bonifácio
A vacinação reduz o número de casos e de mortes por pneumonia
Dr. Vasco Barreto
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o