Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Concorda com a exploração de lítio em Portugal?
Sim
Não
Não sei/talvez
Edição Nº 226 Director: Mário Lopes Terça, 15 de Outubro de 2019
Ricardo Araújo Pereira foi um dos autores convidados este domingo
Marcelo Rebelo de Sousa: “O que torna único o Folio é o seu lado inesperado e inovador”
   
  Marcelo Rebelo de Sousa e Humberto Marques no Folio 
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, é um fã desde a primeira hora do FOLIO – Festival Literário de Óbidos e, como não poderia deixar de acontecer, esteve este domingo, 13 de Outubro, na vila histórica para participar neste evento e assistir a algumas das sessões, onde acabou também por ser um dos protagonistas.

   Marcelo Rebelo de Sousa destacou o facto de o FOLIO ter temáticas para vários públicos e, por isso, ser tão abrangente. O Chefe de Estado considerou também que o tema escolhido foi muito importante, porque aborda muitas questões e “toca toda a gente, atraindo públicos muito diversos”.

   Segundo explicou, uma das razões que o faz visitar o FOLIO é existir sempre um lado inesperado e inovador, que torna único este festival. “Sempre que cá venho, percebo que o FOLIO tem mais futuro do que passado” e passa sempre essa imagem aos editores e comentadores, que, por vezes, têm dúvidas que a próxima edição será melhor ou não. “Eu digo-lhes sempre que o FOLIO é para continuar muito tempo e será cada vez melhor”. Por outro lado, salientou também que este encontro vale ainda mais por ser em Óbidos. Até porque, “Óbidos, mesmo fora deste momento, atrai sempre”.

   Em relação à literatura, o Presidente considera que o livro nunca irá acabar e defende que se deve apostar na fomentação da leitura junto das crianças, mas também no apoio ao mercado editorial. “Somos muitos militantes pelo livro e o nosso dever é fazer mais pelo livro”, afirmou.

   Quando chegou, o Presidente da República assistiu à conversa entre Lídia Jorge e Nuno Júdice, sobre “O Medo dos Escritores”, a qual considerou ter sido “excecional, com dois enormes escritores que hoje estiveram particularmente felizes nas suas intervenções, perante um tema que era difícil”.

   Na sessão, Lídia Jorge afirmou que a literatura e a arte em geral são o triunfo contra o medo e Nuno Júdice afirmou que “dar a voz a um medo é a melhor forma de nos libertarmos dele”. Afinal, o medo é importante para tomarmos decisões mais conscientes e “é criativo”, tal como referiu o Presidente da República.

   “Há quem tenha medo que acabe o medo”, afirmou, citando o escritor Mia Couto, e alertando para os que instrumentalizam o medo para “acorrentar os outros”. O Presidente contou que fez esta citação num encontro de Chefes de Estado europeus, para lembrar que o medo serve, em determinados contextos, para perpetuar o poder.

   Marcelo Rebelo de Sousa participou ainda num psicodrama público, com o tema “O Medo Tem Tempo”, onde lembrou que a realidade ultrapassa sempre a ficção. “Temos de saber viver com o nosso psicodrama e o psicodrama dos outros”, disse.

   Em relação à sessão com Ricardo Araújo Pereira, que teve tanta procura por parte do público que acabou por ser transferida para o palco INATEL, Marcelo Rebelo de Sousa salientou que o humorista conseguiu fazer a ligação entre uma conferência para especialistas e uma conversa com o público.

     Ricardo Araújo Pereira fez uma alocução sobre Perseu, semideus da mitologia Grega, e a história em que este mata o monstro Medusa, com a ajuda de um escudo que é também espelho. Na sua opinião, “um escudo que é ao mesmo tempo um espelho, é uma boa definição do humor”, acrescentando ainda que o riso é um requisito da Humanidade para que as pessoas não se transformem em pedra, como acontecia a quem olhasse Medusa nos olhos.

   Uma realidade que, transportada para os tempos atuais, Ricardo Araújo Pereira considera fazer todo o sentido. “Não é possível rir e ter medo ao mesmo tempo”, referiu, parafraseando o humorista Stephen Colbert, na noite em que Donald Trump foi eleito.

   Para Marcelo Rebelo de Sousa, “a grande causa de hoje é impedir que a moda dos chamados ‘populismos’ acabe por ter lastro e causas para se alargar na sociedade portuguesa”.

   Fonte: GCI|CMO
15-10-2019
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
O POOC e os excessos de alarmismo!!
Carlos Bonifácio
Ex-fumadores: vencedores incontestáveis
Dr. Alfredo Martins
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o