Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
O Governo deve fazer mais para combater as alterações climáticas?
Sim
Não
Não sei/talvez
Edição Nº 80 Director: Mário Lopes Quarta, 6 de Junho de 2007
Xutos e Pontapés fazem este ano 28 anos de carreira
Festival Sabores do Mar juntou mais de 6 mil no concerto dos “dinossauros” do rock
     


Xutos e Pontapés preparam 30º aniversário
  com concerto num estádio

Mais de 6 mil pessoas vibraram no dia 2 de Junho com o concerto dos Xutos e Pontapés, que decorreu no Largo da Ribeira em Peniche, no âmbito do 8º Festival “Sabores do Mar”. Temas como “Longa se torna a espera”, “Mundo ao contrário”, “Dia de São Receber”, “Homem do Leme”, “Mergulho no Mar”, “Maria”, “Chuva Dissolvente” e “A Minha Casinha”, entre outros, levaram ao rubro durante quase duas horas o mar de gente que assistiu ao concerto.

      Tim (Baixo e Voz); Zé Pedro (guitarra ritmo); Kalu (bateria); João Cabeleira (guitarra solo) e Gui (saxofone) constituem actualmente os Xutos e Pontapés. Com 28 anos de carreira, a banda prima pelo à vontade em palco e pelo contacto com os fãs. É possível encontrar num concerto pessoas das mais variadas faixas etárias, que podem ir desde os 7 até aos 77 anos, que partilham com os músicos uma grande interactividade.

      


Zé Pedro

“É óptimo termos diferentes gerações nos nossos concertos. Para já, temos gerações novas e mantemos as mais antigas, é bom sinal para quem está a criar, é um prazer enorme. É bom subir ao palco e ver todo aquele público. O sentimento vai sempre crescendo, vai sempre sendo diferente, porque também procuramos o envolvimento com a assistência, somos sempre muito bem recebidos e isso dá-nos a obrigação de tocarmos bem e de fazer sempre boas prestações, de surpreender as pessoas e de lhes transmitir qualquer coisa de saudável”, revelou Zé Pedro. 

      O alinhamento dos concertos foi feito através da escolha pelos fãs das melhores músicas do grupo. “Foi óptimo tocar em Peniche. Nós voltamos a todo o lado. Ainda vamos andar aqui bastante tempo e claro que poderemos voltar”, admitiu Zé Pedro adiantando que “este foi o primeiro dos festivais de Verão e acho que o espectáculo foi ganho.” Os Xutos e Pontapés preparam-se para o Verão e as feiras com grandes assistências: “Nós temos de nos adaptar também e fazer um bocadinho de jogo de cintura para encaixar esse tipo de público”, referiu o músico.

     


Fãs seguem a banda para todo o lado

A caminhar para as comemorações dos 30 anos do grupo, Zé Pedro refere que “a nossa vontade é chegar aos trinta anos e fazer um estádio em Lisboa. Desde os GNR que ninguém fez”, embora esteja tudo ainda numa fase de estudo. O guitarrista salientou também que “temos agora dois anos para meter um espectáculo bom e para a comemoração dos trinta anos ser em grande”. O próximo concerto da banda será em Toronto, no Canadá, no âmbito das comemorações do dia 10 de Junho. 

      O festival “Sabores do Mar” decorre até dia 10 de Junho, e do programa constam ainda os seminários “Peniche no Oeste: um Mar de oportunidades para o turismo” e “Artesanato: uma oportunidade de desenvolvimento”; a travessia a nado “Berlengas – Peniche” pelos nadadores Nuno Vicente e Miguel Arrobas; a primeira jornada da Liga de Verão de Futebol de Praia; a conferência “Sou de Peniche”; o concerto com “Da Weasel”, bem como o Passeio Marítimo-Turístico, entre outras actividades.

Ver programa aqui.

06-06-2007
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
EDITORIAL
A Linha do Oeste, o TGV e o Aeroporto da Ota
Mário Lopes
OPINIÃO
Perpetuum mobile - Celebrar a Continuidade
Miguel Sobral Cid
XV Cistermúsica - Festival de Música de Alcobaça
Alexandre Delgado
Óbidos já é uma “Maravilha de Portugal”, mas...
Carlos Orlando Rodrigues
A importância da arquitectura nas cidades com património histórico
Carlos Bonifácio
“Ao Menino e ao Borracho mete Deus a mão por baixo…”
Isabel Ferreira e Margarida Batalha
De novo a diáspora?! Ou multilocalidade?
Alzira Simões
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o