Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Quem foi o principal vencedor das eleições para o Parlamento Europeu?
PS
Bloco de Esquerda
PAN
Outro
Edição Nº 55 Director: Mário Lopes Quarta, 18 de Maio de 2005
Opinião
Festival Música em Leiria 2005

 Miguel Sobral Cid

A presente edição do Festival Música em Leiria foi fundamentalmente orientada tendo em consideração a ideia da Música enquanto ponto de convergência das mais diversas expressões artísticas. Esta omnipresença da música atesta bem o seu carácter universal, que se pretende ver aqui celebrado, através da sua associação aos mais diferentes universos.

Neste quadro, ocorre de imediato a dimensão do verbo, que desde os tempos mais remotos se lhe conhece ligado. Do singelo verso popular ao poema erudito, passando, evidentemente, pelo lirismo e carga dramática do palco da ópera, sustenta-se uma parceria equilibrada entre a música e a palavra, cujo sentido resulta naturalmente nobilitado. Já na Dança, é o pulsar do ritmo musical que empresta ao movimento a afirmação da sua métrica. Mas não esqueçamos o grande ecrã, que ainda não se sabia sonoro e já recorria à música para consolidar a sua expressão. Encerrando o espectro das artes que se apreendem no tempo, não se pode deixar de lembrar o Teatro, tão comummente enriquecido pela música, aliás, quase sempre a exigindo associada à sua prática.

E se até aqui me referi às artes que mais frequente e directamente incorporam a música na sua expressão, outras haverá, que, não o fazendo explicitamente, podem conhecer na música um entrosamento peculiar e de influência mútua. Lembremo-nos, a título de exemplo, da impressão que os desenhos de Viktor Hartmann deixaram em Modest Mussorgsky, transcrita nos seus "Quadros"; do enquadramento espacial da música de Iannis Xenakis e na insistente inserção de princípios arquitectónicos na sua composição musical; da importância do fenómeno musical na pintura de Paul Klee, dois universos cujos paralelos Pierre Boulez tão entusiasmadamente explana no seu trabalho sobre aquele pintor suíço (cf. Le Pays Fertile: Pau Klee); ou ainda do movimento minimalista na música, que conhece a sua origem associado aos circuitos vanguardistas das artes plásticas da down town nova-iorquina dos anos 60.

Por último, saindo do domínio da explícita expressão artística, não se pode deixar de fazer referência à música enquanto veículo privilegiado de exaltação da fé. A nossa cultura é profícua em exemplos nesta área, com verdadeiros monumentos nas obras de Giovanni Pierluigi da Palestrina, Johann Sebastian Bach, Wolfgang Amadeus Mozart e de tantos outros. Paralelamente, outras confissões religiosas espalhadas por todos os cantos, desde o hinduísmo ao Islão, encontram também na música um poderoso instrumento de sublimação espiritual.

Sob esta perspectiva, concebi grande parte da presente programação de Música em Leiria, que a par da simples fruição musical propõe ao público um alargamento, intensificação e entendimento da sua experiência nas artes, através de um envolvimento mais profundo com as mesmas. A proposta que melhor personifica a essência da temática desenvolvida nesta edição do Festival é, talvez, o espectáculo Bleu d"Outremer, apresentado pelo agrupamento Le Concert Impromptu e pelo pianista Bruno Belthoise, os quais concebem um espectáculo musical explorando as relações artísticas e de amizade entre a pintora Vieira da Silva e o poeta René Char.

Por outro lado, as artes do palco conhecem em Dying for Love uma diferente e curiosa leitura: sete cantoras líricas portuguesas (ou residentes em Portugal) revelam em cena os segredos, os medos, as obsessões e toda uma infinidade de questões inerentes à carreira de uma cantora de ópera num divertido e, ao mesmo tempo, comovente espectáculo de teatro-musical criado por Carina Reich e Bogdan Szyber.

No que respeita ao Cinema, o pianista Bernardo Sassetti, que terá a colaboração da cantora Joana Machado, dará a conhecer a música que compôs para o filme Maria do Mar, realizado por Leitão de Barros em 1930, e que retrata com forte pendor shakesperiano o quotidiano da Nazaré da época - este concerto, com projecção simultânea do filme, conta com a parceria da Cinemateca Portuguesa. Ainda em referência à sétima arte, a Orquestra de Sopros do Orfeão de Leiria apresentará um programa centrado na música de alguns dos grandes sucessos do grande ecrã.

Quanto à Dança e à sua estreita e quase compulsiva interacção com a Música, apresentar-se-á um espectáculo original que alia a obra de Domenico Scarlatti aos ritmos da dança flamenca, numa tentativa de, através dos sentidos, deixar perceber possíveis evocações, intercâmbios e cruzamentos entre diferentes tradições aos mais diversos níveis: Catherine Latzarus (cravo), Laura Clemente (dança flamenca) e Marc Loopuyt (guitarra flamenca) revelam o encanto que a música popular ibérica exerce na criação daquele compositor italiano. De uma forma mais ténue, a dança pontua ainda alguns dos programas do Festival, através de referências esporádicas, como no concerto da Orquestra Gulbenkian (Danças Eslavas, de Dvorak), ou no recital do agrupamento Violonseis (Tango, de Albéniz), entre outros.

Sublinhe-se, contudo, que a ideia que serviu de ponto de partida para conceber programação da presente edição de Música em Leiria jamais foi considerada de forma estrita. Muito pelo contrário, à parte dos programas já enunciados neste contexto, apresentam-se muitas outras propostas que vêm igualmente contribuir para o objectivo primeiro do Música em Leiria, que é, afinal, o da genuína fruição musical. Entre elas, pela sua actualidade, cabe salientar a referência ao cinquentenário da morte de Luís de Freitas Branco, figura singular na música portuguesa de meados do século XX, e que será evocado na proposta do Moscow Piano Quartet. Para além disso, de referir também as apresentações de Il Seminario Musicale, dirigido pelo seu carismático líder, o contra-tenor Gérard Lesne, do Coro Gulbenkian sob a direcção de Michel Corboz, da pianista Yoko Kikuchi, do percussionista Pedro Carneiro e do Duo Contracello, não esquecendo as presenças dos agrupamentos sediados em Leiria, como os Corais do Orfeão de Leiria, a Orquestra de Sopros da Escola do Orfeão de Leiria e Ars Antiqua - Orquestra Barroca de Leiria.

Miguel Sobral Cid
Director Artístico


Programa

Sábado, 28 Maio - 21h30
Teatro José Lúcio da Silva (Leiria)

ORQUESTRA GULBENKIAN
LAWRENCE FOSTER, maestro
ANA BEATRIZ MANZANILLA, violino
CLÉLIA VITAL, violoncelo

Com um programa diversificado, a Orquestra Gulbenkian apresenta-se mais uma vez no Música em Leiria, trazendo consigo, em estreia no Festival, o seu Director Artístico e Maestro Titular, Lawrence Foster.

João Domingos Bomtempo (1775-1842)
Abertura para Orquestra

Johannes Brahms (1833-1897)
Concerto em Lá menor, Op. 102, para Violino, Violoncelo e Orquestra

Antonin Dvorak (1841-1904)
Danças Eslavas, Op. 46


Domingo, 29 Maio - 21h30
Auditório do Museu do Vidro (Marinha Grande)

DUO CONTRACELLO
Miguel Rocha, violoncelo
Adriano Aguiar, contrabaixo

O violoncelo e o contrabaixo, assumidos cúmplices na partilha do registo grave da orquestra, conheceram ao longo dos séculos felizes contributos no revelar das suas potencialidades em duo. Tocando há mais de 10 anos, Miguel Rocha e Adriano Aguiar vêm perpetuando essa ideia, revelando-nos o encanto destes dois instrumentos que "falam grosso".

Franz Keyper (1756-1815)
Rondo Solo, para contrabaixo e violoncelo

Carlos Azevedo (1964)
Granito

Sérgio Azevedo (1968)
Divertimento Concertante

Gioacchino Rossini (1792-1868)
Duetto
Segunda, 30 Maio - 21h30
Auditório da Biblioteca Municipal de Pombal (Pombal)

DUO CONTRACELLO
Miguel Rocha, violoncelo
Adriano Aguiar, contrabaixo

Mesmo programa de dia 29 de Maio


Terça, 31 Maio - 21h30
Teatro José Lúcio da Silva (Leiria)

YOKO KIKUCHI, piano

Depois de galardoada em várias competições internacionais, entre as quais se incluem o Concurso Busoni, de Bolzano, ou o Concurso Mozart, de Salzburgo, a jovem pianista japonesa Yoko Kikuchi tem vindo a consolidar o seu prestígio no circuito musical internacional. Em Leiria, apresentará um ambicioso programa, com algumas das mais exigentes e conhecidas obras do repertório pianístico.

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Nove Variações em Ré Maior sobre um tema de Jean Pierre Duport, K.573

György Ligeti (1923)
Musica Ricercata (selecção)

Robert Schumann (1810-1856)
Kreisleriana, op. 16

Frédéric Chopin (1810-1849)
12 Estudos, op. 25


Quinta, 2 Junho - 21h30
Igreja de São Francisco (Leiria)

IL SEMINARIO MUSICALE
Aurore Bucher, soprano
Eugénie Warnier, soprano
Gérard Lesne, contratenor e direcção
Jean-François Novelli, tenor
Alain Buet, baixo

Gérard Lesne é uma das figuras mais paradigmáticas da Música Antiga e o seu trabalho como cantor e Director Artístico do grupo Seminario Musical tem contribuído para a difusão de um imenso e rico repertório. Centrado em duas figuras fundamentais do barroco italiano e francês, a sua proposta revela-nos alguns pungentes e belos exemplos da música vocal da época.

André Campra (1660-1744)
Missa Ad Majorem Dei Gloriam

Claudio Monteverdi (1567-1643)
Ond"ei di morte
Rimanti in pace
Anima mia perdona
Che se tu se" il cor mio
Che dar più vi poss"io
M"e più dolce il penar
Io mi son giovinetta

Claudio Monteverdi
Sestina Lagrime d"Amante al Sepolcro dell"Amata


Sábado, 4 Junho - 21h30
Igreja de São Francisco (Leiria)

CORAIS DO ORFEÃO DE LEIRIA
AUGUSTO MESQUITA, direcção e apresentação

Representantes da mais pura tradição orfeonista, os Corais do Orfeão de Leiria apresentam um programa eclético, visitando a polifonia renascentista, mas também o cancioneiro popular português, sem deixar de lado referências mais recentes que de algum modo enriqueceram o universo da canção, como as melodias de José Afonso ou a poesia de Ary dos Santos.

Música Sacra e dos Cancioneiros

D. Pedro de Cristo (c.1550-1618)
Es Nascido

Frei Manuel Cardoso (1570-1650)
Asperges Me

D. Pedro de Cristo
Tristis Est

José Maurício (1725-1815)
Allelluya

Vilancete / Cancioneiro de Elvas (séc.XVI)
Porque me não vês Joana

Alonso / Cancioneiro de Palácio
La Tricotea Samartin La Vea


Música Popular

Popular, Alentejo - Eurico Carrapatoso
Ó Meu Menino
Ó Serpa

Popular - Mário Sousa Santos
Oh! Divina Santa Cruz

Popular - José Afonso / Mário Nascimento
Natal dos Simples

Popular, Alentejo - Fernando Lopes-Graça
A Senhora d"Aires

Canções Tradicionais- Fernando Lopes-Graça
Olha o Rojão


Música Diversa

José Afonso / Eurico Carrapatoso
Cantigas de Maio

S.Tavares-A.Melo / Augusto Mesquita
Sonho de Amor

M. Beatriz da Fonseca / Manuel Faria
Maternidade

C.Velho-Piratini-M.Ferreira/Augusto Mesquita
Barco Negro

Ary dos Santos-P. de Carvalho/ Paulo Lourenço
O Homem das Castanhas
Os Putos
Lisboa Menina e Moça


Domingo, 5 Junho - 21h30
Teatro José Lúcio da Silva (Leiria)

BERNARDO SASSETTI, piano
JOANA MACHADO, canto

Projecção do filme Maria do Mar

A Nazaré é o pano de fundo para a trama que Leitão de Barros pensou para o seu filme, quando o cinema ainda se dizia mudo. Cerca de 8 décadas mais tarde, Bernardo Sassetti senta-se ao piano para criar a música que nos guiará neste revisitar de uma das mais emblemáticas obras da história do cinema português.


Quarta, 8 Junho - 21h30
Teatro Miguel Franco - Centro Cultural Mercado Sant"Ana (Leiria)

Dying For Love

CATHERINE REY, soprano
ELVIRA ARCHER, soprano
HELENA AFONSO, soprano
LIA ALTAVILLA, soprano
MARISA FIGUEIRA, soprano
LILIANA BIZINECHE, meio soprano
SUSANA TEIXEIRA, meio soprano

Carina Reich e Bogdan Szyber, concepção e direcção

Sete cantoras trazem à cena os seus segredos, ânsias, caprichos e toda uma infinidade de questões próprias de uma cantora de ópera e do seu universo, num comovente e ao mesmo tempo divertido espectáculo de teatro-musical.


Sábado, 11 Junho - 21h30
Claustro do Mosteiro de Stª Maria da Vitória (Batalha)

PEDRO CARNEIRO, percussão

A magia da marimba é-nos revelada nas mãos de um dos mais dotados percussionistas do actual panorama musical. Com o seu natural e forte sentido de comunicação, Pedro Carneiro evoca também a música de Bach e Schumann através das suas transcrições, sempre com um grande rigor e respeito pela original essência da música.

Johann Sebastian Bach (1685-1750)
Suite nº 1 para violoncelo solo
(transcrição de Pedro Carneiro)

Karen Tanaka (1961)
Tales of Trees

Keiko Abe (1937)
Variations on Japanese Children"s Songs

Robert Schumann (1810-1856)
Excertos do Album para a Juventude, op. 68
(transcrição de Pedro Carneiro e Leigh Howard Stevens)

Joseph Schwantner (1943)
Velocities (Moto Perpetuo)


Domingo, 12 Junho - 21h30
Cine-Teatro de Porto de Mós (Porto de Mós)

VIOLONSEIS
Clélia Vital, violoncelo
Maria José Falcão, violoncelo
Teresa Portugal Núncio, violoncelo
Levon Mouradian, violoncelo
Varoujan Bartikian, violoncelo
Jeremy Lake, violoncelo

A arte de transcrever ou arranjar um trecho musical é na sua essência um exercício de análise, síntese mas também de invenção relativamente à obra original. É nesta perspectiva que Jorge Teixeira olha o seu contributo na preparação de grande parte das partituras que vêm sendo executadas por estes seis violoncelos (elementos da Orquestra Gulbenkian), já bem conhecidos do público do Música em Leiria.

Mariano Mores (1918)
Cafetín de Buenos Aires
La Calecita

Arvo PTMrt (1935)
Fratres

Christopher Bunting (1924-1999)
Fanfarra
Ode
Scherzo

Jacques Ibert (1890-1962)
Festa Popular em Neuilly
Restaurante no Bosque de Bolonha

Rogério Medeiros
Versos

Enrique Francini (1916-1978)
La vi llegar

Werner Thomas Mifune (1941)
The Big Train

Isaac Albéniz (1860-1909)
Tango

Bastinho Calixto
Toque de Fole

Baden Powell (1937-2000)
Apelo


Segunda, 13 Junho - 21h30
Teatro Miguel Franco - Centro Cultural Mercado Sant"Ana (Leiria)

VIOLONSEIS
Clélia Vital, violoncelo
Maria José Falcão, violoncelo
Teresa Portugal Núncio, violoncelo
Levon Mouradian, violoncelo
Varoujan Bartikian, violoncelo
Jeremy Lake, violoncelo

Mesmo programa de dia 12 de Junho


Terça, 14 Junho - 21h30
Centro Cultural Mercado Sant"Ana (Leiria)

ORQUESTRA DE SOPROS DA ESCOLA DE MÚSICA DO ORFEÃO DE LEIRIA
ALBERTO ROQUE, direcção

Foi na sétima arte que se inspirou a concepção do programa da Orquestra de Sopros do Orfeão de Leiria: uma proposta centrada na música de alguns sucessos do grande ecrã, que nos projectará na memória cenas de O Senhor dos Anéis, de A Guerra das Estrelas, de E. T. ou de O Rei Leão, entre outros.

Philip Sparke (1951) - Concert Prelude

Howard Shore (1946) / arr. Victor Lopez - The Lord of the Rings

John Williams (1932) / arr. Robert Smith - Fantasy of Flight
- Adventures on Earth (E.T- o extraterrestre)
- Hedwig´s Theme (Harry Potter e a Pedra Filosofal)
- Duel of The Fates (Star Wars: Episódio I)
- Star Wars (Tema Principal)

Ray Charles (1930) / arr. Michael Brown - The Genius of Ray Charles

Alan Menken (1949) / arr. Hans Van Der Heide - The Huncback Of Notre Dame

Elton John (1947) / arr. Calvin Cluster - The Lion King Soundtrack Higlights


Quinta, 16 Junho - 21h30
Teatro Miguel Franco - Centro Cultural Mercado Sant"Ana (Leiria)

Bleu d"Outremer (Azul ultramarino)

LE CONCERT IMPROMPTU
Yves Charpentier, flauta
Anne Chamussy, oboé e corne inglês
Jean-Christophe Murer, clarinete
Didier Velty, trompa
Hélène Burle, fagote

BRUNO BELTHOISE, piano e direcção

Pintura, Poesia, Música: pontos de contacto nas vidas de Vieira da Silva e René Char, e o ponto de partida para esta criação multidisciplinar levada à cena pelo quinteto de sopros francês Concert Impromptu e pelo pianista Bruno Belthoise.

Fernando Lopes-Graça (1906-1994)
Sete lembranças para Vieira da Silva

Bernard de Vienne (1957)
Les identités remarquables

Felipe Pires (1934)
Figurações VIII

Olivier Messiaen (1908-1992)
Le merle noir

Sérgio Azevedo
Ariane dans son labyrinthe


Sábado, 18 Junho - 21h30
Igreja do Convento da Portela (Leiria)

CORO GULBENKIAN
MICHEL CORBOZ, direcção
GYSLAINE WAELCHLI, soprano
CHRISTOPHE EINHORN, tenor
MARCELO GIANNINI, órgão
JONATHAN RUBIN, alaúde

Entre o seu repertório de eleição, Michel Coboz escolhe para o Coro Gulbenkian um programa de música sacra, visitando alguns dos mais consagrados compositores italianos de Seiscentos.

Cláudio Monteverdi (1567-1643)
Missa a 4 vozes

Domenico Scarlatti (1685-1757)
Stabat Mater

Giacomo Carissimi (1605-1674)
Jephte


Domingo, 19 Junho - 21h30
Igreja de São Francisco (Leiria)

ARS ANTIQUA - ORQUESTRA BARROCA DE LEIRIA
ANTÓNIO RAMOS, direcção

Para a sua primeira apresentação no «Música em Leiria», a Ars Antiqua - Orquestra Barroca de Leiria escolheu um programa que espelha bem a diversidade da música europeia do século dezassete e primeira metade de dezoito, representando grande parte das tradições nacionais então existentes: a francesa, a inglesa e a alemã.

Heinrich Ignaz Franz Biber (1644-1704)
Fidicinium Sacro-Profanum Sonata XI

Henry Purcell (1659 - 1695)
Suite de The Fairy Queen

Georg Friedrich Handel (1685-1759)
Concerto Grosso opus 6 Nº 5

Johann Sebastien Bach (1685-1750)
Suite "Ouverture" BWV1067 nº2

Jean Baptiste Lully (1632-1704)
Le Bourgeois Gentilbomme
Ouverture
Le Quatre Danseurs (Grave-Sarabande-Bourrée-Gaillarde-Canarie)
Menuet du Maître à Danser - Menuet Français
Danse des Tailleurs - Gavotte des Tailleurs
Entreé des Scaramouches, Trivelins et Arlequins
Chaconne des Scaramouches, Trivelins et Arlequins
Airs des Espagnols
Marche des Turcs - Aria I - Aria II


Terça, 21 Junho - 21h30
Teatro José Lúcio da Silva (Leiria)

MOSCOW PIANO QUARTET
Alexei Eremine, piano
José Pereira, violino
Alexandre Delgado, violeta
Guenrik Elessin, violoncelo

No cinquentenário da morte de Luís de Freitas Branco, o Moscow Piano Quartet apresenta um programa em torno de uma das mais proeminentes figuras da vida musical portuguesa da primeira metade do século XX.

Luís de Freitas Branco (1890-1955)
Trio para Piano, Violino e Violoncelo

Joly Braga Santos (1924-1988)
Quarteto em Ré para piano e cordas

Ernest Chausson (1855-1899)
Quarteto com piano em Lá maior, op. 30


Sábado, 25 Junho - 21h30
Teatro José Lúcio da Silva (Leiria)

CATHERINE LATZARUS, cravo
MARC LOOPUYT, guitarra flamenca
LAURA CLEMENTE, dança flamenca

Este programa é fruto de um encontro entre duas músicas: o Flamenco e a obra de Domenico Scarlatti. Não se trata de colocar em paralelo os dois tipos de música, mas de fundir em conjunto a guitarra, o cravo e a dança, de encontrar aquilo que faz a sua unidade.

Domenico Scarlatti (1685-1757)
Sonata em Lá menor, K.175
Farruca (Flamenco)/

Luis Milan (ca.1500-ca.1561)
Pavane

Domenico Scarlatti
Sonata em Mi Maior, K.215
Alegria (Flamenco)/

Domenico Scarlatti
Sonata em Fá menor, K.239
Granadina (Flamenco)/

Domenico Scarlatti
Sonata em Lá Maior, K.208
Tango de Malaga (Flamenco)
Fandango de Huelva (Flamenco)/

Domenico Scarlatti
Sonata em Ré Maior, K.119
Sapateado (Flamenco)/

Domenico Scarlatti
Sonata em Ré menor
Buleria (Flamenco)
Sevillana (Flamenco)/


Organização:
Orfeão de Leiria

Av. 25 de Abril
2400-265 Leiria
Telef. 244829550 e 938238700
Fax 244829551
orfeaodeleiria@pluricanal.net

18-05-2005
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Imaginários de Museus e Museus Imaginários
Festival Música em Leiria 2005
XIII Festival de Música de Alcobaça - O Encontro das Artes
Nossa pátria língua-mãe
Origem, evolução e significado do Traje Académico
A seca na agricultura e no mundo rural do Oeste
"A Sabedoria traz discernimento político"
De Karol a Joseph
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o