Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Os suspeitos de violência doméstica devem aguardar julgamento em prisão preventiva?
Sim
Não
Não sei / talvez
Edição Nº 218 Director: Mário Lopes Domingo, 6 de Janeiro de 2019
Torres Vedras
BE insurge-se contra a transferência dos CTT de A dos Cunhados para a Junta de Freguesia
  
                     Loja dos CTT de A-dos-Cunhados
O Bloco de Esquerda insurgiu-se no passado mês de setembro contra o encerramento da loja dos CTT de A dos Cunhados, solidarizando-se com o movimento de populares que surgiu e lutou contra o fim de mais este serviço público de proximidade.

   Na altura, foi noticiado na imprensa local que o presidente da União das Freguesias de A dos Cunhados e Maceira, a par com o executivo camarário, teriam há já vários meses conhecimento da intenção dos CTT de encerrarem esta loja.

   Mais tarde, surgiu a informação pelo próprio presidente da Junta de Freguesia que estariam a decorrer negociações, que o comércio não estaria interessado - embora tivesse sido consultado - em assumir estes serviços por notar a revolta da população e que, eventualmente, seria a Junta de Freguesia a assumi-los como forma de garantir a permanência dos serviços postais junto da população da freguesia.

   O Bloco de Esquerda lamenta que o encerramento se tenha consumado, evidenciando as responsabilidades dos partidos PSD e CDS, quando foram governo entre 2011 e 2015, na entrega desta empresa lucrativa a privados, como lamentamos que o Governo PS não tenha revertido essa situação, ignorando a deterioração crescente dos serviços postais a nível nacional, com múltiplos postos e agências a fecharem um pouco por todo o País.

   O BE salienta que em muitos casos, os serviços ao passarem para as Juntas de Freguesia, ficam diminuídos na sua diversidade, sendo garantido apenas o serviço postal e ficando de fora, os serviços financeiros antes prestados pelas lojas CTT, sendo este o grande problema em A-Dos-Cunhados.

   Para o Bloco de Esquerda, a estratégia dos CTT é clara: maximização dos lucros por via da transferência de despesas para o Estado.

   Inúmeras juntas de freguesia acabam por ficar com estes serviços para garantir que as suas populações possam continuar a usufruir deles, assumindo custos com instalações, água, eletricidade e recebendo dos CTT apenas um valor quase simbólico, mensal, que dará para a contratação de um funcionário a valores que rondarão o salário mínimo nacional.

   O Bloco de Esquerda acusa a administração dos CTT de “descerem drasticamente os custos de operação, mantendo os preços dos seus serviços para os clientes finais, maximizando os lucros que, neste negócio com o Estado, irão parar ao bolso de "meia dúzia" e, assim, “mais uma vez, o Estado (todos nós) a dar milhões a ganhar a privados, ficando com piores serviços e assumindo custos sem retorno financeiro.”

   Para o Bloco de Esquerda, existe uma “responsabilidade da direita na alienação desta empresa com conivência do PS, que sendo Governo, poderia revertê-la como fez com o Metropolitano de Lisboa e com a TAP” e, por isso, exorta a população a não esquecer estas decisões políticas, quando for às urnas.
06-01-2019
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
EDITORIAL
O Governo do descaso
Mário Lopes
OPINIÃO
Mudar Alcobaça, mas para melhor
Luís Guerra Rosa
A Hipoteca do Futuro pelos Foguetes do Presente
Tiago Carrão
O novo Programa Estratégico de Reabilitação Urbano (PERU)
Carlos Bonifácio
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o