Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
De momento não existem Sondagens activas.
Ver Sondagens Anteriores
Edição Nº 84 Director: Mário Lopes Domingo, 14 de Outubro de 2007
Alcobaça
Colecções de Mário Botas, Costa Pinheiro e SA Marionetas em exposição no Armazém das Artes

     


José Aurélio com a escultora Sara Matos
e a presidente da Fundação Mário Botas

O Armazém das Artes inaugurou, no dia 5 de Outubro, três exposições em simultâneo: o espólio dos 10 anos da companhia SA Marionetas, a mostra “Spleen”, do pintor nazareno Mário Botas (1952-1983) e a obra gráfica do pintor Costa Pinheiro (1932 - ), considerado um dos mais importantes pintores da segunda metade do século XX. As exposições estarão patentes ao público até 31 de Dezembro, todos os dias das 14 h às 19h. As entradas são pagas, havendo descontos para estudantes, professores e seniores.  

MARIONETAS EM ALCOBAÇA - 1979/2007
espólio da Companhia SA Marionetas, Teatro de Bonecos - 10 anos

 


Exposição dos SA Marionetas

Uma impressionante mostra de Marionetas que abrangem várias técnicas de manipulação. Inclui o espólio de Cesário Nunes um importante fantocheiro português, doado a esta Companhia de Teatro e Bonecos de Alcobaça. Marionetas, workshops, espectáculos e visitas guiadas.  

 COSTA PINHEIRO - OBRA GRÁFICA - 1953/2007,
em colaboração com a Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea.


D. Pedro I, de Costa Pinheiro

   Toda a obra gráfica deste importante pintor português, está aqui reunida numa apresentação inédita. Esta exposição foi organizada pela Casa da Cerca e pelo autor.  

Costa Pinheiro é considerado um dos mais importantes artistas portugueses da segunda metade do século XX. Nascido em Moura em 1932, frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio e pertenceu ao grupo KWY. É autor das séries “Reis de Portugal” (1964/66), Projecto “Citymobil” (1967/75), “O Poeta Fernando Pessoa” (1974/81) ou “La Fenêtre de ma tête” (1983/89) que o projectaram internacionalmente e mereceram o melhor acolhimento da crítica e das instituições na Alemanha, País o pintor viveu e onde está representado nas principais colecções públicas e privadas. Foi um opositor determinado da ditadura, circunstância que lhe valeu a prisão em 1962/1963.

"SPLEEN" - MÁRIO BOTAS,
em colaboração com a Fundação Mário Botas.
 


"Les Foules" (1978), de Mário Botas

Importante conjunto de 51 obras desta importante figura da cultura da Região Oeste, natural da Nazaré. Pintor que ilustrou de forma magistral os poemas de Beaudelaire com o título "Spleen de Paris". Embora a palavra Spleen não tenha tradução à letra, ela representa, na sua origem latina, os "males do fígado", o que pode ser traduzido por todos os "males do espírito" como a tristeza, a melancolia, a solidão, a nostalgia e todas as formas de depressão conhecidas nos sentimentos humanos. 

A mostra "Spleen" esteve exposta em Lisboa, na Fundação Calouste Gulbenkian, em 1987, seguindo depois para Paris, sendo Alcobaça a terceira cidade a recebê-la. Sara Matos realçou também a montagem ímpar de José Aurélio, que concedeu um toque de sobriedade à colecção.

      Mário Ferreira da Silva Botas nasceu a 23 de Dezembro de 1952, na Nazaré, terra dos seus pais e onde fez os estudos primários e secundários. Aluno brilhante no ensino primário, terminou o secundário com altas classificações e foi dispensando do exame de admissão à faculdade de Medicina de Lisboa, onde ingressou em 1970. Licenciou-se com distinção em Julho de 1975, mas quase não chegou a exercer a medicina. 

      Surpreendido por uma leucemia em 1977, e sabendo-se com os dias contados, decidiu dedicar-se exclusivamente à pintura que há muito o seduzia, e o levava nas férias a conviver com pintores estrangeiros. Essa decisão, mas também a nunca perdida esperança da cura, levou-o a Nova Iorque, onde fez em 1978 uma exposição individual, na galeria Martin Summers. Regressado a Lisboa em 1980 entregou-se à criação, à preparação de exposições e outras actividades artísticas, e em 29 de Setembro de 1983 viria a falecer no Hospital da Cruz Vermelha.
14-10-2007
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
EDITORIAL
A escola da Calçada de Carriche
Mário Lopes
OPINIÃO
Portugal e as Migrações: “Novos e Velhos Desafios”
Henrique Tigo
O Arquitecto Eugénio dos Santos
Luís Rosa
A nova cruz alta de Fátima
D. Serafim Ferreira e Silva
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o