Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
O peso excessivo das mochilas escolares é um problema grave para as crianças?
Sim
Não sei / talvez
Não
Edição Nº 44 Director: Mário Lopes Domingo, 6 de Junho de 2004
Editado pela Câmara Municipal
Maria Augusta Trindade lança livro sobre as chitas de Alcobaça

Amaral Lopes (ao centro) com Gonçalves Sapinho (à direita) 

Maria Augusta Trindade, ex-directora do Mosteiro de Alcobaça e comissária da exposição sobre as chitas de Alcobaça que esteve em itinerância em Portugal e no Brasil, apresentou, no dia 31 de Maio, o seu livro "De Gil Vicente às Colchas de Chita de Alcobaça". A apresentação da obra teve lugar no auditório da Biblioteca Municipal e contou com a presença de José Amaral Lopes, secretário de Estado da Cultura, e de muitos alcobacenses.

Maria Augusta Trindade referiu ao Tinta Fresca que este livro resultou de um convite que a Câmara Municipal lhe dirigiu para publicar um trabalho sobre as chitas de Alcobaça quando proferiu uma conferência no Gabinete de Informação da Universidade de Coimbra em Alcobaça, o que foi aceite, e depois escrito, "com muito prazer". O livro foi materializado em apenas um ano, só possível porque a autora já tinha editado dois catálogos sobre o tema: um para uma exposição em Alcobaça, em 1998, e outra no Brasil, em 2001, a convite do director do Instituto Camões no Brasil, Rui Rasquilho.

A historiadora confirma que as chitas de Alcobaça não têm origem em Alcobaça e, embora os estudos estejam muito avançados, não é ainda possível ter a certeza sobre os locais onde foram produzidas. Alguns historiadores defendem que foram confeccionadas em Portugal pelos pescadores, mas os ingleses defendem que foram feitas em Inglaterra e exportadas para Portugal. No entanto, a autora manifesta a sua convicção de que estas chitas possuem uma identidade e uma certa ingenuidade próprias do espírito português.

Sessão de autógrafos na Biblioteca Municipal 

Maria Augusta Trindade sublinha que houve uma indústria têxtil muito importante em Alcobaça, talvez a mais importante do País no século XVIII, que se caracterizava pelo fabrico de panos de algodão, com uma gama muito variada de tecidos. Tratou-se de uma das mais importantes indústrias de Portugal neste século. Por exemplo, a Real Fábrica de Lençaria e Fazendas Brancas de Alcobaça chegou a ter 500 operários. No entanto, dando como adquirido que a estamparia das chitas - um tecido de algodão estampado proveniente da Índia - tenha tido lugar em Alcobaça, a razão da designação "Chitas de Alcobaça" permanece como "um dos maiores mistérios da arqueologia industrial portuguesa".

Para a autora, a razão de ser deste livro são as colchas de chita de Alcobaça, mas lembra que a obra trata também de outros assuntos, como o desenvolvimento da vila através dos tempos. Maria Augusta Trindade admite que não pretende desenvolver mais este tema, indo agora regressar àqueles que foram os seus interesses de sempre: a Ordem de Cister, o Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça e S. Bernardo.

Para o presidente da Câmara Municipal, este livro é um contributo para preservar a memória, a história e sobretudo, a identidade de Alcobaça. Apesar de se admitir que as chitas não tiveram origem em Alcobaça, Gonçalves Sapinho considera que não é determinante saber a origem das chitas, pois são reconhecidas como de Alcobaça em toda a parte. O autarca salienta que o livro fala sobretudo das colchas de chita, provavelmente o produto mais nobre das chitas de Alcobaça e lamentou mesmo não possuir também uma colcha de chita.

Também o historiador Jorge Pereira de Sampaio considera que as louças e as chitas constituem um dos cartões de visita mais internacionais de Alcobaça. O proprietário da Galeria Conventual assume-se como um apaixonado pelas chitas de Alcobaça, embora possua uma colecção que considera um apontamento, em comparação com o vasto espólio de louças de que é proprietário.

Jorge Pereira de Sampaio realça que este é o primeiro livro alguma vez publicado sobre as chitas de Alcobaça. Até agora, apenas existiam os catálogos das já aludidas exposições sobre as Chitas de Alcobaça, realizadas em Portugal e no Brasil. A primeira, recorde-se, teve lugar no Mosteiro de Alcobaça, no tempo em que Maria Augusta Trindade era a sua directora, sendo depois também mostrada no Palácio da Ajuda. A segunda, esteve na Pinacoteca do Estado, em São Paulo, no Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro, na exposição nas Docas, em Belém do Pará, e na Caixa Económica Federal, em Brasília.

O número de exemplares de colchas de Alcobaça deverão ser actualmente, apenas de algumas centenas, entre colecções de museus e privadas. A maior deverá ser a da família Natividade com mais de uma centena. O Museu Vitória e Alberto possui cerca de 30. De resto, a escassez de colchas de Alcobaça deve-se ao facto de se irem gastando com o tempo por serem estampadas. Como sucede com todos os têxteis, a tinta vai desaparecendo por acção do tempo e das sucessivas lavagens.

O historiador defende que há espaço para a edição de outras obras sobre este tema e recorda que é moda actualmente as editoras editarem grandes álbuns que aparecem nas livrarias a partir de Setembro, para apanharem a época de vendas de Natal. Jorge Pereira de Sampaio declara que nada tem a opor a trabalhos que aliam as vertentes estéticas e científicas porque "a vista regala-se e a ciência aprofunda-se".


          Mário Lopes

06-06-2004
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
EDITORIAL
Voando sobre um ninho de cucos
OPINIÃO
Regionalismo e urbanismo nos romances de José de Alencar
Condomínios de Portugal, S. A.
Revitalizar a forma de pensar um centro histórico
Caldas com ambição!
Nem mais um soldado da GNR para o Iraque!
Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea (Fev./ 2001) (Primeiras Impressões, Comentários e Reparos) - Recapitulação - XXIV Série
É tempo do Euro 2004
Por uma política pública de Ambiente
A importância do Euro 2004 para a região de Leiria
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o