Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Como classifica o número de turistas estrangeiros em Portugal?
Excessivo
Bom
Insuficiente
Não sei
Edição Nº 210 Director: Mário Lopes Sábado, 9 de Junho de 2018
Se a decisão da Caixa Geral de Depósitos não for revertida
Câmara de Pombal retira 7,1 milhões da CGD em protesto pelo fecho do balcão do Louriçal
  
Paulo Macedo preside ao Conselho
        de Administração da CGD
O Município de Pombal anunciou esta quarta-feira, 6 de Junho, que irá transferir os saldos mantidos na Caixa Geral de Depósitos (CGD) para outros bancos, caso aquela entidade pública não reverta a decisão de encerrar o balcão existente na sede da Freguesia do Louriçal. O anúncio foi feito pelo presidente da Câmara, Diogo Mateus, durante a reunião daquele órgão.

   “A Câmara de Pombal deixará de trabalhar com a CGD até que esta situação seja revertida, ficando apenas as operações que têm estrita obrigação legal. Todo o montante restante será transferido para outras contas, de maneira a que esta dispensa da importância do território do Louriçal e do nosso concelho para a CGD tenha uma consequência”, disse o autarca.

   A Câmara de Pombal irá, assim, “retribuir à CGD esta desconsideração para com o Povo de Pombal, e em especial ao Povo do Louriçal, não continuando a trabalhar com quem entende que não há razões para continuar a trabalhar connosco e no nosso território”, disse o presidente da Câmara.

   O Município de Pombal mantém naquele banco um saldo médio superior a 7 milhões de euros, nos últimos 24 meses. Na Freguesia do Louriçal, o balcão da CGD conta já com largas dezenas de anos de existência, numa freguesia que tem um dos maiores territórios do concelho de Pombal.

   Para Diogo Mateus, importa sublinhar que “o Município não foi ouvido em nenhuma circunstância sobre esta intenção, o mesmo acontece relativamente à Junta de Freguesia do Louriçal. Aguardo ainda que essa comunicação seja feita. De todo o modo, a reação do Município a esta circunstância muito concreta já está dada”.

   “É importante recordar que a CGD continua a ser um banco totalmente público, que no primeiro trimestre de 2017 o Estado Português participou no aumento de capital com dinheiro público, no montante de dois milhões e quinhentos mil euros. Vale a pena sublinhar que o Estado Português, que é o accionista totalitário desta sociedade financeira, deve estar a acompanhar estes planos de redução de despesas da CGD, e se o accionista nada diz, é porque também deve acompanhar aquilo que são as opções da respetiva Administração”, concluiu o autarca.

   Fonte: GAP|GC|CMP
09-06-2018
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Das "crises" do estado-empresa e da empresa-estado
Valdemar J. Rodrigues
O pólen e o Centro de “Boas Vindas” no Mercado Municipal
Carlos Bonifácio
Não gosto de “certa” linguagem…
Fleming de Oliveira
Doença mental aumenta dependência do tabaco
Drª Tânia Silva
Pressão arterial alta é fator de risco para o enfarte
Dr. Pedro Farto e Abreu
Fumadores têm maior risco de desenvolver demência
Manuela Morais
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o