Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Concorda com a exploração de lítio em Portugal?
Sim
Não
Não sei/talvez
Edição Nº 80 Director: Mário Lopes Segunda, 11 de Junho de 2007
Perpetuum mobile - Celebrar a Continuidade

25º festival MÚSICA EM LEIRIA
31 Maio a 24 Julho 2007

    Perpetuum mobile - Celebrar a Continuidade

   


Miguel Sobral Cid

Independentemente da tendência para se assinalar os múltiplos do século e seus submúltiplos - cinquentenários, quartos de século e décadas - ser uma consequência directa do nosso enquadramento no sistema decimal vigente e, por isso, absolutamente artificial, a verdade é que a sua constante recorrência constituiu já uma tradição que dificilmente nos deixa indiferentes.

    Na música, por exemplo, as efemérides de compositores como Mozart, Johann Sebastian
Bach ou, mais recentemente, Chostakovitch e Lopes Graça, foram casos em que mesmo
o mais distraído ou desinformado cidadão não pôde deixar de ouvir falar, ainda que possa
não lhes ter prestado grande atenção.

    Mas se casos há em que as efemérides são exploradas comercialmente até à saturação,
e muitas das vezes por mercados que não lhe estão directamente associados - lembrome,
evidentemente, dos chocolates com o retrato do Mozart, praticamente desconhecidos
entre nós antes do bi-centenário da sua morte (1992) -, considero francamente positivo o
saldo deste recurso no que respeita à sua contribuição para a difusão em larga escala de
repertórios pouco ouvidos ou mesmo desconhecidos da maior parte do público. Neste
caso, o marketing das efemérides, porque, afinal, também é disso que se trata, é um
expediente benemérito e (quase) altruísta, no seu objectivo de alargar o conhecimento e a
experiência do público na Música.

    É nesta espécie de marketing social que enquadraria a referência aos 25 anos de edições
consecutivas do Festival «Música em Leiria», que neste ano assinalamos. Uma
comemoração mais do que natural, pelo relevo que colocará num projecto que traz à
Região e ao seu público, de forma continuada, uma oferta peculiar, musical e não só, de
grande qualidade, e que em muito contribuiu e continua a contribuir para o
desenvolvimento e consolidação de hábitos culturais em geral, e particularmente na área
da música.

    A par da justa comemoração, interessa sobretudo sublinhar o percurso de sucesso do
Festival, um dos mais antigos do País e certamente um dos de maior importância. A isso
não foram alheios o empenhamento e a boa orientação oferecidos a esta iniciativa pelos
directores artísticos que me precederam nas funções que aqui desempenho, Maria
Fernanda Cidrais Rodrigues e Carlos de Pontes Leça, dos quais tive o privilégio de
receber um valoroso estímulo, quer no quadro profissional quer no plano pessoal, e aos
quais deixo aqui a minha singela homenagem.

    O Festival «Música em Leiria» veio adoptando na sua programação soluções que, sempre
de forma gradual e atentando à realidade de cada momento, foram introduzindo novas
propostas que o conduziram ao presente formato. Apesar da distância temporal a esse
primeiro momento que ocorreu há 25 anos, a referência ao passado proposta na presente
edição não só é propositada como reflecte um tributo a todos os artistas e colaboradores
do Festival que contribuíram para a sua consolidação.

    Neste espírito, duas figuras de grande proeminência destacam-se na presente
programação do Música em Leiria. O pianista Sequeira Costa, que logo na segunda
edição do Festival, em 1984, lhe associou o seu nome, e a coreógrafa Olga Roriz, que por
diversas vezes aqui interveio, quer como coreógrafa quer enquanto bailarina do extinto
Ballet Gulbenkian, e que apresentará pela primeira vez em Leiria a sua própria companhia
de dança.

    Por outro lado, é conveniente mencionar um outro factor que terá contribuído
sobremaneira para o sucesso do Festival, que foi a sua gradual internacionalização. A par
dos mais conceituados artistas portugueses, uma enorme plêiade de músicos de renome
internacional conheceu a sua actuação em Leiria. Entre eles, e só para referir alguns,
encontram-se Jordi Savall e o Hespèrion XXI, Gérard Lesne e o Seminário Musicale,
Reinhardt Goebel e o Musica Antiqua de Colónia, Kim Criswell, Andrew Lawrence-King,
Ivan Monighetti, Dagobeto Linhares, The King’s Consort, The Hilliard Ensemble e I
Fagiolini. Neste quadro, também a edição de 2007 mantém este princípio, apresentando
uma das mais conceituadas orquestras sinfónicas do leste europeu, a Sinfonia Varsóvia,
que acompanhará a igualmente reputada pianista Anna Malikova, e o agrupamento
alemão NeoBarok, que se tem evidenciado pelo seu peculiar olhar para a Música Antiga.

    Uma nova perspectiva é também a sugerida nesta edição do Festival pelos Músicos do
Tejo (Sementes do Fado), projecto onde se destaca a notável voz de Ana Quintans, numa
proposta que pretende explorar as ligações entre a Modinha portuguesa dos séculos XVIII
e XIX e o Fado. Espelha-se aqui, aliás, uma outra vertente que se tem evidenciado no
Música em Leiria, que procura a diversificação das propostas, no sentido de alargar as
perspectivas do público no domínio musical. Nesta mesma linha, cabe igualmente a
referência a Renaud Garcia-Fons, eminente contrabaixista cuja arte contagiante tem
conquistado os mais diversos públicos, desde os amantes do Jazz aos do Flamenco.

    Para concluir, de sublinhar ainda o prosseguimento da reserva de um espaço de
programação dedicado ao público mais jovem, que este ano trará a Leiria uma produção
do projecto educativo Descobrir a Música na Gulbenkian (O Piano e seus Amigos), assim
como de uma outra orientação programática que tenta dar evidência ao trabalho de
jovens músicos de particular talento em início de carreira. Neste último caso, de destacar
as apresentações do violinista Pedro Meireles, que será solista no concerto com a
Orquestra Filarmonia das Beiras e a Orquestra de Sopros do Orfeão de Leiria, do Trio
Mediterrain, do guitarrista Dejan Ivanovic e do Coro e Orquestra Universidade de Malmö
(Suécia).

    Miguel Sobral Cid
    Director Artístico
11-06-2007
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
EDITORIAL
A Linha do Oeste, o TGV e o Aeroporto da Ota
Mário Lopes
OPINIÃO
Perpetuum mobile - Celebrar a Continuidade
Miguel Sobral Cid
XV Cistermúsica - Festival de Música de Alcobaça
Alexandre Delgado
Óbidos já é uma “Maravilha de Portugal”, mas...
Carlos Orlando Rodrigues
A importância da arquitectura nas cidades com património histórico
Carlos Bonifácio
“Ao Menino e ao Borracho mete Deus a mão por baixo…”
Isabel Ferreira e Margarida Batalha
De novo a diáspora?! Ou multilocalidade?
Alzira Simões
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o