Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Como classifica o número de turistas estrangeiros em Portugal?
Excessivo
Bom
Insuficiente
Não sei
Edição Nº 210 Director: Mário Lopes Domingo, 20 de Maio de 2018
Rui Pedrosa tomou posse como presidente do Politécnico de Leiria
Novo presidente do IPL quer doutoramentos na Universidade Politécnica de Leiria
  
                                         Rui Pedrosa
«Juntos faremos um ecossistema educativo, de investigação e de inovação, que levará o Politécnico de Leiria ainda mais longe», afirmou Rui Pedrosa na cerimónia em que tomou posse como presidente do Politécnico de Leiria, realizada no dia 15 de maio.

   Pedro Lourtie, presidente do Conselho Geral do Politécnico de Leiria, destacou a importância de juntar todos os politécnicos na questão dos doutoramentos e na designação internacional das instituições: «Vamos continuar a luta, está a ser feito o caminho». Pedro Lourtie salientou os cinco anos de partilha de funções com Nuno Mangas e o bom entendimento entre ambos, e desejou a Rui Pedrosa toda a sorte para a nova função que agora inicia, e «pode contar com a solidariedade institucional do presidente do Conselho Geral do Politécnico de Leiria».

   Nuno Mangas, presidente cessante do Politécnico de Leiria, referiu que teve «a honra e o privilégio de exercer múltiplas funções nesta Instituição ao longo deste período, com momentos muito gratificantes, de grande aprendizagem conjunta, de grandes desafios e concretizações, num dos períodos mais difíceis da história recente do nosso país. A todos agradeço a oportunidade e confiança depositada na minha pessoa e nas equipas que liderei, quer nos melhores momentos, quer nos outros».

  
                Pedro Lourtie, Rui Pedrosa e Nuno Mangas
O presidente cessante agradeceu à comunidade académica, docentes, técnicos, administrativos e investigadores, diretores das escolas e das unidades orgânicas, diretores e responsáveis por diferentes serviços. Nuno Mangas fez um especial agradecimento a Pedro Lourtie, pela relação institucional que construíram, às entidades externas que compõem o Conselho Geral, e a outros presidentes do Conselho Geral. «Agradeço igualmente às empresas, autarquias e outras instituições, que confiaram no trabalho do Politécnico de Leiria e que têm hoje na nossa instituição um parceiro para o desenvolvimento de iniciativas de natureza técnica, científica, cultural, artística, desportiva e social», sublinhou Nuno Mangas.

   As últimas palavras de Nuno Mangas foram dirigidas ao seu sucessor: «Ao Professor Rui Pedrosa e a toda a sua futura equipa desejo as maiores felicidades no exercício destas funções, que têm tanto de exigente como de desafiante. Mas sei por experiência própria que a exigência e os desafios são algo de que o Rui Pedrosa gosta. Dizer-te que foi um privilégio poder contar contigo na minha equipa e que estou seguro que irás ser um grande presidente. Boa sorte e bom trabalho!».

   Rui Pedrosa, presidente do Politécnico de Leiria, agradeceu à equipa com quem trabalhou nos últimos quatro anos: «Nuno Mangas para mim será sempre o meu presidente. Obrigado por todos os ensinamentos, entre muitos, destaco a forma inteligente como promove consensos, o rigor na gestão pública, a visão, o cuidado com os detalhes e a capacidade de criar redes societais de conhecimento e confiança».

  
                         Nuno Mangas
Os três grandes objetivos apresentados por Rui Pedrosa para o seu mandato são a alteração da designação de Instituto Politécnico de Leiria para Universidade Politécnica de Leiria; ter doutoramentos em associação, ou de forma independente e autónoma, continuando o trabalho de investigação, de inovação e de influência, para que seja possível outorgar o grau de doutor; e a adoção de uma visão disruptiva, que transforma a transferência de conhecimento em partilha e valorização de conhecimento, enquanto processo bidirecional e colaborativo.

   O novo presidente do Politécnico de Leiria ainda lançou alguns desafios para o próximo quadriénio, como a inovação pedagógica, ter mais e melhores estudantes com a continuidade de uma política nacional e internacional de captação de estudantes, e ainda o processo de avaliação das unidades de investigação, à criação dos doutoramentos de interface e às políticas promotoras de emprego científico.

   Ao nível dos domínios transversais do seu mandato, Rui Pedrosa salientou a internacionalização, o desenvolvimento sustentável, pensando na qualidade de vida da comunidade académica, a gestão estratégica de recursos humanos, com políticas centradas nas pessoas, a organização e modernização administrativa como processo contínuo de melhoria, e a gestão sustentável e investimento.