Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Quem é o melhor candidato presidencial?
Ana Gomes
André Ventura
João Ferreira
Marcelo Rebelo de Sousa
Marisa Matias
Tiago Mayan Gonçalves
Edição Nº 103 Director: Mário Lopes Segunda, 11 de Maio de 2009
“Golpes de Mão’s – Memórias de Guerra” apresentado na Biblioteca Municipal de Alcobaça
José Eduardo Reis de Oliveira apresenta
livro de paz em tempo de guerra
   


Rui Rasquilho, Gonçalves Sapinho,
Alípio Tomé Pinto e JERO

José Eduardo Reis de Oliveira (JERO) apresentou, no dia 2 de Maio, o seu livro “Golpes de Mão’s – Memórias de Guerra.” O Auditório da Biblioteca Municipal de Alcobaça encheu-se de familiares, amigos e ex-combatentes da Companhia de Caçadores 675, que durante dois anos permaneceu em Binta, na Guiné, que assim quiseram participar neste momento importante da vida do jornalista. 

   Marcaram também presença Gonçalves Sapinho, presidente da Câmara Municipal de Alcobaça, Rui Rasquilho, que apresentou o livro, o tenente-general Alípio Tomé Pinto, comandante da C.C. 675 e autor do prefácio do livro, além de João Turé, um amigo guineense que em 1964 tinha 8 anos. 

   Segundo JERO, este livro, que demorou cerca de dois anos a escrever, é um livro de memórias de guerra, escrito em “dois tempos”: em 1964-65, tendo como fonte um “Diário de Guerra” (Confidencial), de sua autoria, que registou a vida dos militares da Companhia de Caçadores 675, então em “quadrícula” no Norte da Guiné (zona de Binta e Guidage), e em 2007-08 num Portugal em tempo de paz, mas com feridas de guerra ainda mal cicatrizadas, ouvindo e registando memórias de ex-combatentes.

   


João Turé

José Eduardo Reis de Oliveira considerou que “guerra todos fazem”, mas o que destaca com mais emoção e de diferente durante a sua estadia em Binta “foi a possibilidade de recuperar uma aldeia” e ter um contacto directo com os habitantes, dos quais destaca o “miúdo João Turé”, que na altura tinha oito anos, e que veio a encontrar no ano de 2000 em Évora, num encontro da Companhia 675. 

   JERO dedicou o seu livro aos “pais, às pessoas que mais sofreram com a guerra e a todos os que fizeram parte da companhia e já partiram”. A reintegração das pessoas que vêm da guerra é, segundo o autor, “muito difícil”, e no seu caso, destaca o apoio familiar que o ajudou a ultrapassar essa fase. O jornalista alcobacense referiu que este “livro foi feito com paixão” e que “é preciso compreender o passado para ter uma visão de futuro”. 

   Na ocasião, Gonçalves Sapinho lembrou que este livro presta homenagem a todos os que estiveram na guerra, e felicitou o autor pelo livro, uma vez que se “trata de um documento histórico da máxima importância.” 

   


José Eduardo Reis Oliveira assinando
o seu livro

Por sua vez, Rui Rasquilho salientou que “o livro do JERO não é ficção, este livro é uma memória. É um exercício da memória, expressa pela palavra e pela imagem”. O ex-director do Mosteiro de Alcobaça classificou ainda o 2º capítulo do livro como “um documento”, visto retratar muito bem o que se passou na altura. 

   Por fim, o tenente-general Alípio Tomé Pinto agradeceu a oportunidade que lhe foi dada para escrever o prefácio do livro, e de assim poder recordar muitas das suas vivências da altura. O então comandante da Companhia de Caçadores 675 considerou que o autor traduziu para o livro “a sua memória e afectos” que vivenciou, uma vez que “foi feito com o coração e com muita f é.” 

   Tomé Pinto, uma das vítimas da guerra, aparece classificado no livro pelo autor como “um doente não fácil”, dado que, apesar de ter sido atingido em combate “não deixava de dar ordens.” O militar considerou que o livro tem “um conteúdo rico de sentimentos” e classificou como “curioso” o facto de, apesar “de ser um livro de guerra, nos fala mais de paz”. O antigo comandante da 675 considerou ainda que este livro é “um testemunho real e verdadeiro” daquilo que a companhia passou durante a sua estadia em Binta, na Guiné Bissau. 

   


Apresentação de “Golpes de Mão’s – Memórias
de Guerra” encheu auditório da Biblioteca
 

O livro, de 438 páginas, teve como responsável pela capa e design gráfico o alcobacense Marco Correia. O designer revelou que a capa foi feita “de modo a dar algum dramatismo” ao livro, destacando também o empenho do autor na escolha das fotos a publicar e o entusiasmo posto na conclusão deste trabalho.
11-05-2009
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Comentário de Antonio Nobre
15-12-2010 às 10:04
Olá Ze Eduardo Hoje no "Geogle" e por mero acaso tive conhecimento do lançamento do teu Livro.Como ex-combatente da Guine-C.Caç. 2464-1969/1970-fico grato que me disponibilizasses o livro.Como adquiri-lo? Um abraço do Antonio Nobre(ex-BPA)
Comentário de Luis Filipe Vilhena Mesquita
04-12-2009 às 12:56
Não conheço o livro, mas o autor do mesmo foi companheiro de luta na Guiné, juntamente com o meu saudoso irmão Furriel-miliciano Alvaro Manuel Vilhena Mesquita,morto em combate na provincia da Guiné em 28-12-1964. Se houver possibilidade de adquirir esse livro ficaria muito grato ao seu autor. O meu contacto pode ser através do meu Email,ou pelo meu telemovel 919912395.
Comentário de Áurea
12-05-2009 às 20:07
Não estive no lançamento, porque não me foi possivel. Gostei destas imagens e do que acabei de ler, sobre o autor. Comprei o livro para oferecer ao meu marido, mas estou também a lê-lo e a recordar frases que ele me contava,da guerra em Angola, onde andou. Muita gente irá compra-lo porque vale a pena...É um livro muito bom.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
EDITORIAL
O armário: reflexões sobre a homofobia
Mário Lopes
OPINIÃO
Porquê votar no Bloco de Esquerda?
Fernando Rocha
Eleições Europeias-Votar em 7 de Junho é muito importante!
Rui Barreiro
Cristo-Rei faz 50 anos
Por Henrique Tigo
As eleições para o Parlamento Europeu
Ana Rita Carvalhais
“Balanço do Mandato”
Vítor Lourenço
A Europa…
José Leitão
Novo acordo ortográfico
Henrique Tigo
“Energia e alterações climáticas – medidas de poupança de energia”
Mónica Martins
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o