Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
O PS merece ter maioria absoluta nas eleições legislativas?
Sim
Não
Não sei / talvez
Edição Nº 84 Director: Mário Lopes Quinta, 25 de Outubro de 2007
Alcobaça
IX Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais adoça paladar aos portugueses

   


Cartaz

O Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, Património Mundial e uma das “7 Maravilhas de Portugal”, recebe de 15 a 18 de Novembro, a IX Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais. Uma organização da responsabilidade da Câmara Municipal de Alcobaça, que se assume como pioneira, desde 1999, na preservação e divulgação do riquíssimo património cultural que é a doçaria, apostando na tradição gastronómica deixada pela presença dos Monges e Monjas Cistercienses dos Conventos de Alcobaça e Cós. De referir que os Monges da Ordem de Cister do Mosteiro de Oseira (Ourense) garantiram a sua presença este ano com os magníficos Licores de Eucaliptine e Ambrar Oro.

     A decorrer, pelo segundo ano consecutivo, no Mosteiro de Alcobaça, o Refeitório e a Sala dos Monges são uma aposta da Câmara Municipal de Alcobaça para fazer desta Mostra um dos eventos mais carismáticos do País. Por isso, entre os quatro dias anunciados, o Mosteiro acolhe mais de 30 participantes nacionais e internacionais, com destaque para os Conventos portugueses, Mosteiros de Espanha, Abadias de França, e a estreia este ano de representantes de Malta e de Palma de Maiorca.

Verdadeiras delícias

   


Uma doce visão

As delícias sedutoras, verdadeiras maravilhas criadas através de inúmeras experiências, de longa prática e dedicação, de paciência e devoção, bem como os licores que ao longo dos séculos foram rodeados de secretismo, serão tentações disponíveis a todos os que visitarem o Mosteiro de Santa Maria. As receitas conventuais constituem uma ementa de raros sabores, sobremesas e licores com grande êxito, e serão representadas num ambiente único, palco da Glutonaria Medieval – “sitio onde melhor se comia na Europa”, segundo William Beckford, no livro “Alcobaça e Batalha”.

     De entre os manjares presentes na IX edição poderão saborear-se:

Doces Tradicionais:
Os famosos Toucinho-do-Céu, Barrigas de Freira, Ovos-Moles, Castanhas de Ovos, Pão de Rala, Papos de Anjo, Pão-de-Ló de Alfeizerão, Tachinhos do Abade, Pastéis de Lorvão, Pastéis de Tentúgal, Lampreia de Ovos, Tigeladas,
Tortas de Guimarães, Morcelas Doces, Queijinhos do Céu, Divina Gula, entre
outros;

Doces Inovações:
Chocolates, marmeladas, licores, bombons, biscoitos, bolachas, entre outros, actualmente, fabricados em conventos europeus por freiras e frades;

Licores:
Para acompanhar os magníficos doces conventuais poderá saborear por exemplo: os Licores: de Ginja de Alcobaça, de Singeverga (o único ainda fabricado num Mosteiro em Portugal), de Eucaliptine, de Ambrar Oro, entre
outros.

Monges Brancos da Galiza pela primeira vez em Alcobaça

   


Pelo 2º ano, a Mostra de Doces Conventuais
decorre no Mosteiro deAlcobaça
Depois da visita a Alcobaça, no dia 5 de Setembro, os Monges da Ordem de Cister, oriundos do Mosteiro de Oseira (Ourense), garantiram a sua presença na edição dos Doces Conventuais de 2007, onde trarão os magníficos Licores de Eucaliptine e Ambrar Oro. O convite, no qual a autarquia insiste desde 2002, torna-se este ano possível através de uma maior abertura dos Monges à sociedade. Este ano, para além dos Licores, os Monges prometem trazer novos produtos, uma vez que iniciaram a produção de Doces Conventuais à base de frutas.

     Esta Mostra pretende manter Alcobaça numa dimensão internacional, como pólo de defesa da autenticidade das artes culinárias, pois são Ainda bastantes os doces de origem conventual que figuram no receituário português e expostos nesta Mostra, onde o visitante poderá ainda “aguçar o paladar” com Licores Conventuais. 

    Fonte: Gabinete de Informação e Relações Públicas da Câmara Municipal de Alcobaça

 

25-10-2007
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Comentário de Aldevino
16-03-2011 às 11:02
Gostei mito disso acho que essa obra devia perpétuar ao longo dos tempo para garantir uma cultura conventual Cister.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
EDITORIAL
A escola da Calçada de Carriche
Mário Lopes
OPINIÃO
Portugal e as Migrações: “Novos e Velhos Desafios”
Henrique Tigo
O Arquitecto Eugénio dos Santos
Luís Rosa
A nova cruz alta de Fátima
D. Serafim Ferreira e Silva
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o