Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
O coronavírus COVID-19 vai tornar-se um problema grave em Portugal?
Sim
Não
Não sei/talvez
Edição Nº 230 Director: Mário Lopes Sábado, 14 de Março de 2020
Partido defende que este método de ensino deve ser aplicado a todas as disciplinas com exames nacionais
PDR propõe a implementação da telescola já como alternativa às aulas presenciais
  
                           Bruno Fialho
O Partido Democrático Republicano (PDR) defende que, perante o agravamento do número de infetados por Covid-19 em Portugal e a consequente decisão do Governo de encerras as escolas pelo menos até ao próximo dia 9 de abril, não resta outra alternativa a não ser a implementação imediata da Telescola - método de ensino ministrado à distância através da televisão. Esta medida terá a dupla função de evitar a propagação do vírus e garantir que esta geração de alunos, nomeadamente os que terão de realizar exames nacionais, não verá comprometido o seu processo de aprendizagem.

   “O que estamos a propor é a recriação de um método de ensino que surgiu em Portugal em janeiro de 1965 e teve emissões regulares até 1987. Não sendo possível aplicar nesta fase a todas as disciplinas, consideramos que é exequível aplicá-la às disciplinas que terão exames nacionais exatamente para mitigar os efeitos negativos que este período excecional poderá ter a médio / longo prazo na aprendizagem desta geração de alunos. Para além disto, esta medida irá certamente ajudar a controlar a propagação do Coronavírus e até a reforçar o papel e importância do serviço público de televisão no nosso país”, afirma Bruno Fialho, presidente do PDR.

   “O PDR foi o primeiro partido político a solicitar que o Governo tomasse medidas efetivas de antecipação deste cenário de pandemia, porém fomos acusados de alarmistas sociais. A verdade é que o resultado está à vista de todos e, mesmo admitindo alguma imprevisibilidade nesta fase, não se pode dizer que os nossos governantes não tivessem já outros exemplos que lhes permitissem tomar medidas mais efetivas. Esta questão das escolas é demasiado evidente: assume-se uma medida a prazo para depois se reavaliar sem uma preocupação real sobre as consequências destas para os principais interessados. E se nessa altura se perceber que as escolas terão de se manter fechadas? Os alunos ficam eternamente de férias? Qual a preparação que estes jovens terão para os exames e para o futuro?”, questiona Bruno Fialho.

   Fonte: Taylor
14-03-2020
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Aprender a viver com o coronavírus
Mário Lopes
As doenças raras em Portugal e o papel da Medicina Interna
Dr. Paulo Castro Chaves
Em Portugal, ser raro… não é raro
Dr. Joaquim Brites
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o