Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Leiria tem condições para ser Capital Europeia da Cultura?
Sim
Não
Não sei / talvez
Edição Nº 213 Director: Mário Lopes Segunda, 8 de Outubro de 2018
Considerando que há movimentos diários para a capital
Distrital de Santarém do PSD quer alargar passe social de Lisboa até ao Entroncamento
  
                    Comboio da CP
O PSD coloca em cima da mesa uma proposta que pretende alargar a coroa do passe social da Área Metropolitana de Lisboa até ao Entroncamento. Tendo em conta que milhares de habitantes no distrito de Santarém se deslocam diariamente para Lisboa, mas que atualmente pagam o triplo do preço por um passe em relação a concelhos que distam apenas 10 km de distância, a proposta do PSD pretende acabar com esta discriminação e estimular a utilização de transporte público.

   Por exemplo, um habitante da Azambuja paga de passe 55 euros, mas se for do Cartaxo, 12 km ao lado, já paga 134 euros e de Santarém 161 euros sem esquecer que como são passes fora da AML não podem ser combinados, logo estas pessoas têm que adquirir um segundo passe para circularem dentro da cidade de Lisboa (+ 40 euros a 50 euros).

   A Distrital do PSD de Santarém e os deputados do PSD pretendem levar esta proposta à Assembleia da República e vêm publicamente desafiar o Governo a incluir esta solução na proposta de Orçamento de Estado que estarão a negociar com os seus parceiros de coligação e que será conhecida na próxima semana.

   A situação atual provoca uma enorme discriminação em relação aos habitantes do distrito de Santarém que pagam o triplo do preço pelo seu transporte em relação a pessoas que vivem à mesma distância de Lisboa, e não têm qualquer incentivo para utilizarem transporte público. Os novos apoios aos passes sociais vêm acentuar ainda mais esta discriminação.

   “Se queremos alterar a mobilidade e retirar automóveis da cidade de Lisboa temos que ter em conta todos os que entram diariamente na cidade e não apenas os que vivem nos arredores. Os movimentos pendulares para Lisboa estendem-se hoje tanto a Tomar, como a Coruche, Benavente, Entroncamento, Torres Novas, Golegã, Almeirim ou Cartaxo. O preço de habitação em Lisboa acentua a cada dia este fenómeno e se queremos “mexer” a sério na mobilidade e não apenas com fins eleitorais, então temos que olhar para o problema de forma abrangente”, defende a Distrital do PSD de Santarém.

   O objetivo desta solução é trazer maior equidade de tratamento a todos os cidadãos e estimular a utilização de transporte público corrigindo um conjunto de injustiças que atualmente prejudicam as pessoas. Na ferrovia não há sequer um passe combinado que permita articular com os transportes dentro da malha urbana de Lisboa, obrigando a adquirir dois passes diferentes. Há hoje um conjunto significativo de automobilistas que recorrem ao automóvel para se deslocarem para o seu trabalho na Área Metropolitana de Lisboa e que poderiam passar a usar o transporte público se este fosse competitivo.

   Por exemplo, quem vive em Santarém e utiliza o comboio para chegar à capital, demora provavelmente o mesmo tempo que quem vive em Cascais (se compararmos com o Intercidades ou o Alfa) ou em Sintra, muito embora gaste mais 300 % pela compra do passe social. Acresce que Santarém, Cartaxo, Almeirim, Torres Novas, Tomar ou Entroncamento são concelhos com cada vez mais movimentos pendulares diários para Lisboa, uma vez que o aumento exponencial do preço da habitação em Lisboa tem promovido ainda mais a opção de viver fora da capital, em concelhos onde o custo de vida é mais baixo.

   Memorando com exemplos e diferenças de custos:


   Vários milhares de pessoas deslocam-se diariamente, por motivos laborais, entre os distritos de Santarém e de Lisboa. Se muitos o fazem de automóvel, contribuindo diretamente para o fluxo de trânsito em Lisboa, muitos recorrem aos transportes públicos, nomeadamente ao comboio. Constata-se, porém, que esta opção é bastante dispendiosa, sobretudo quando comparada em termos de proporcionalidade temporal e, consequentemente monetária, com uma viagem Cascais-Lisboa/Sintra-Lisboa.

   Por exemplo, em comboios rápidos - Alfa e Intercidades (IC) - estas viagens têm uma duração de 38 (Alfa) e 42 minutos (IC) entre Santarém e Lisboa e de 54 (Alfa) e 59 (IC) minutos entre o Entroncamento e Lisboa ou vice-versa. Nestes casos, o preço médio dos bilhetes de Santarém/Lisboa é de 13.40 euros no IC e de 22 euros no Alfa e de Entroncamento/Lisboa o preço é de 17 euros no IC e de 24 euros no Alfa.
Em comboio regional a duração do percurso aumenta: entre Santarém e Lisboa demora 1h19 m e custa 6,70 euros; do Entroncamento até Lisboa demora 1h28 m e custa 9 euros.

   Já entre Cascais e Lisboa as viagens têm a duração de 40 minutos e um custo de 2.25 euros; e entre Sintra e Lisboa, demora 36 minutos e custa 2,25 euros. Estas pessoas pagam de passe em média 60 euros.

   Mais injusta é a diferença entre alguém que vive na Azambuja que paga de passe 55 euros para ir diariamente para Lisboa, mas se viver a mais 12 km de distância e apanhar o comboio no Cartaxo já paga 134 euros de passe. Lisboa - Santarém de autocarro custa 126 euros.

   Quando falamos em passe social, este tem um custo mensal, para o percurso Entroncamento/Lisboa – Lisboa, de 216,20€ (Regional) e 250,30€ (Intercidades), e para o percurso Santarém/Lisboa de 161€ (Regional) e de 235,20€ (Intercidades). O mesmo passe entre a Azambuja (limite da AM Lisboa) e Lisboa custa 55 euros.

   Importa salientar que não é possível juntar/combinar um “Passe Regional” da CP (de Santarém/Lisboa ou Entroncamento/Lisboa) com um passe da cidade de Lisboa, o que parece não fazer qualquer sentido, uma vez que existe essa possibilidade para os transportes que se deslocam de e para a Margem Sul e Linha de Sintra. Quem tem um passe da CP regional vê-se, pois, obrigado a comprar um segundo passe para circular na capital o que desincentiva a utilização de transporte público.

   A Distrital do PSD de Santarém acredita que se o preço do comboio entre Entroncamento e Lisboa for mais acessível nos comboios mais rápidos seriam uma alternativa bastante competitiva para os cidadãos que se deslocam diariamente entre o distrito de Santarém e Lisboa. Além de se reduzir o fluxo de trânsito em Lisboa, melhorava-se a qualidade de vida destas pessoas e atraía-se mais gente para viver no Ribatejo.

   O PSD recorda ainda que, para além dos trabalhadores, há muitos estudantes universitários que fazem este percurso diariamente porque não conseguem arrendar um quarto com os preços atuais.

   Duas propostas alternativas:
1. Alargar a coroa do passe social da Área Metropolitana de Lisboa ao Entroncamento (hoje termina na Azambuja).
2. Atribuir como bónus a totalidade ou um desconto de 50 % na compra do passe de Lisboa (Navegante ou Lisboa Viva) a quem tiver um passe de um percurso superior exterior à coroa da Área Metropolitana de Lisboa ou a 50 quilómetros de distância de Lisboa.

   Nota: os dados indicados foram retirados do site da CP, Barraqueiro, Lisboa Viva, Ribatejana e Boa-Viagem, Via Michelin.
08-10-2018
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Pela Conclusão da IC3/A13
Tiago Carrão
Posição do CDS sobre os documentos previsionais do Municipio de Alcobaça para 2019
Carlos Bonifácio
A vacinação reduz o número de casos e de mortes por pneumonia
Dr. Vasco Barreto
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o