Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
De momento não existem Sondagens activas.
Ver Sondagens Anteriores
Edição Nº 213 Director: Mário Lopes Quarta, 5 de Setembro de 2018
Opinião
De que matéria se faz esta cidade?
  
                 Jorge Mangorrinha
1. O problema do património cerâmico das Caldas da Rainha

   A cultura urbana, nas suas distintas dimensões e escalas, revela-se na salvaguarda e valorização das heranças, na promoção da criatividade, na arquitectura, no espaço urbano e nos produtos comercializáveis.

   Como uma das principais marcas históricas e contemporâneas das Caldas da Rainha é a cerâmica, esta deve ser uma aposta estratégica e desenvergonhada, através de um plano patrimonial mas também de fomento, convergente e motivador, com resultados perceptíveis, de acordo com a importância do tema e as verbas envolvidas.

   O que se tem passado nestes tempos é algo que dificilmente se consegue caracterizar, da responsabilidade dos agentes políticos e dos cidadãos. A perda do património cerâmico tem sido caldeada com novas propostas criativas e o ressurgimento de uma componente empresarial e comercial que vê com bons olhos este sector como oportunidade para o produzir ou integrar. Porém, lentamente e com incongruências.

   Há lojas que resistem e outras que abrem. Há alguns prédios cuja reabilitação inclui o restauro ou o completamento azulejar, mas também outros nos quais se ignoram as preexistências e se destrói. Há uma vontade política e cidadã para festejar a cerâmica, mas que não colhe o entusiasmo de alguns artistas, porque se trata de projectos essencialmente pessoais, mais do que generosamente comunitários. Há formas de tratar o tema de uma forma integrada e em rede, através de associações e rotas, mas cujos resultados carecem de escrutínio. Há uma marca de valor internacional (Bordallo Pinheiro), com expressão urbana na Rota Bordaliana. Há o reconhecimento da importância da cerâmica moderna da SECLA, mas uma indefinição quanto à salvaguarda e musealização do conjunto patrimonial e de parte do edifício fabril. Há uma entidade formativa que foi de inegável importância (CENCAL), cujo espaço exterior é potencialmente propício a um jardim das artes, como aliás foi prometido, até como contrapartida de um estudo prospectivo já realizado sobre outro tema. Há uma singularidade associada à cerâmica fálico-satírica, mas que devia ter expressão na cidade, sem preconceitos. Há uma intervenção de Ferreira da Silva, o Jardim de Água (na minha opinião de duvidosa abordagem plástica), indecentemente abandonada, por detrás da “rotunda” mais valiosa do mundo (Chafariz das Cinco Bicas). Há um extraordinário conjunto museológico, de todas as artes, que podia ser potenciado como microcosmo dos museus, necessitando para tal que os espaços sejam unidos, numa aposta corajosa de pedonalização das vias e de pensamento conjunto dos espaços.

   Alguma coisa foi feita. E há mais para fazer, em convergência de interesses, até porque uma cidade é de muitas mãos.

   Um dos problemas do património cerâmico das Caldas da Rainha existe porque o mesmo apenas é promovido quando há fundos financeiros para alimentar quem dele se serve. Não é destas malandrices que, seguramente, as Caldas precisam.

   2. O problema do termalismo nas Caldas da Rainha

   As termas já não são o que eram há cinco, quatro, três ou dois séculos, nem sequer do tempo em que foram moda no início do século XX ou do período curto em que se favoreceu o termalismo social. Não que a essência do espaço ou o pretexto para veranear sejam uma novidade, isso já vem de outros tempos, mas as termas foram recentemente reconfiguradas na sua oferta, embora se mantenham os princípios terapêuticos. Em complemento ao termalismo clássico medicinal, decretou-se a promoção do bem-estar e da beleza. Mas nunca se decretou, obviamente, que esses mesmos predicados devam existir, também, nos espaços urbanos, imprescindíveis para uma estada global complementar à utilização do balneário, porque isso depende da correcta interpretação do território e das opções políticas.

   No termalismo, o problema das Caldas da Rainha está muito para além do estabelecimento de “um novo compromisso com a Rainha D. Leonor”. O que deve ser feito, salvo melhor opinião, é um compromisso com os caldenses e os reais e potenciais usuários das termas portuguesas. As Caldas, os benefícios da sua água mineral natural, ainda são uma marca reconhecida em Portugal, pelo que importa preservar as heranças e modernizar a oferta, mas sem que esta seja à custa dessas heranças. Por isso, em complemento, o conceito de futuro e a política urbana devem estar em consonância com a ambição de reabertura e expansão do termalismo, porque termas e cidade são indissociáveis e isso é um dos aspectos distintivos.

   A autarquia tem o mérito de ter assumido o que mais ninguém quis: a concessão da água mineral natural, depois da demissão do Ministério da Saúde. Com os direitos e deveres que estão associados a esse compromisso, a autarquia passou a ser o elemento charneira de um projecto integrado de termalismo urbano. É disto que se trata para quem, como eu, ainda ambiciona a concretização de um projecto ganhador, caracterizado desde logo pelo valor que ele represente para os cidadãos caldenses e para o visitante e, ainda e em simultâneo, que o mesmo seja integrado e respeitado numa rede internacional que o possa promover.

   Este tema já fez correr muita tinta, mas não será que a tinta se esgota?

   Uma terra-de-águas tem uma especificidade própria, porque deve ser um “lugar global, onde se cruzam saúde e ambiente no seu melhor, mas também o suporte físico de uma actividade económica e cultural de excepção” (1999). Este “aglomerado urbano imaginário e sintético” (2000) deve permitir condições de “estada agradável ao aquista e uma ocupação diversificada, já que a expressão do lugar tem repercussões psíquicas, afectivas e culturais, bastante complexas, que contribuem para o equilíbrio biológico e terapêutico, tal como para o relacionamento social que o encontro nas termas proporciona aos seus utentes” (2002), uma experiência singular, em “rituais de experiência colectiva” (2012).

   Estas palavras, escritas por mim em anos diferentes, sintetizam o que penso sobre as exigências para o espaço específico do quotidiano termal. Não basta despachar para outrem as responsabilidades gestionárias das termas e do novo hotel, neste caso das Caldas. A ambiência dos espaços urbanos próprios e adjacentes faz parte das regras básicas, quanto a dar privilégio aos usos não agressivos. E este princípio não mudou muito, mesmo se tratando de cidades. É a urbanidade aplicada à especificidade das termas. A autarquia das Caldas da Rainha ainda vai a tempo para a promover, corrigindo umas coisas ou promovendo outras, mas não se perdoará se não o fizer, e bem.

   Jorge Mangorrinha
05-09-2018
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
De que matéria se faz esta cidade?
Jorge Mangorrinha
Peso das mochilas não provoca escoliose
Dr. Nuno Neves
Explosão tecnológica abre a porta à inteligência artificial
Joaquim Vitorino
A Guida fugiu com um rapazola ou o pé da Luizinha Carneiro
Fleming de Oliveira
Não se esforce em demasia: dores nos pés podem ser sinal de fasceíte plantar
Drª Fátima Carvalho
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o