Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Lei deve proibir parentes de serem membros do mesmo Governo?
Sim, sempre
Não, critério deve ser a competênca
Não, mas deve haver limites
Não sei / talvez
Edição Nº 219 Director: Mário Lopes Sábado, 2 de Fevereiro de 2019
Apoio será feito através de projeto-piloto numa 1ª fase
Governo exige resultados clínicos
para comparticipar tratamentos termais
  
               Hospital Termal das Caldas da Rainha
“A conversão do projeto-piloto em definitivo dependerá da avaliação efetuada, podendo ter de haver ajustamentos, sendo de salientar que o Governo sempre reconheceu a importância da comparticipação dos tratamentos termais, razão pela qual espoletou todo o processo de estudo da matéria”. “A avaliação far-se-á com base nos resultados alcançados, incorporando componentes de custo-benefício, quer em termos clínicos, quer na redução da despesa com MCDT, medicamentos, episódios de urgência, consultas externas e internamentos, bem como o impacto no absentismo laboral”, esclareceu a ministra em resposta à questão colocada pela deputada Margarida Marques.

   O Estado vai voltar a comparticipar as despesas com cuidados de saúde prestados em estabelecimentos termais do Serviço Nacional de Saúde. Estava suspenso desde 2011. A Comissão Interministerial que estudou esta reposição considerou que a avaliação dos resultados alcançados pressupõe a existência de um regime e financiamento para avaliar, tendo proposto que a avaliação ocorra 12 meses após a implementação do regime de comparticipação. Assim, o Governo considerou que a forma mais adequada seria a implementação de um projeto-piloto, revelou a ministra da Saúde.

   “Com efeito, se da avaliação resultar a necessidade de eventuais ajustamentos que assegurem a melhoria do regime de financiamento, importa que este seja suficientemente flexível para permitir tais acertos”, referiu a governante em resposta à deputada do PS, que ainda este mês remeteu uma pergunta à tutela sobre o novo regime de comparticipação em tratamentos termais.

   A socialista, eleita pelo círculo de Leiria, apontou que o regime de comparticipação “será avaliado ao fim de um ano, de forma a medir, de forma cuidada, os benefícios alcançados por estes tratamentos. Posteriormente será definida a política a seguir em matéria de prescrição e comparticipação nesta área”.

   Margarida Marques lembrou que o Governo propõe que “o valor da comparticipação paga pelo Estado ascende a 35% do preço do conjunto de tratamentos, tendo como limite 95 euros por utente” e que “As comparticipações abrangem várias doenças, entre as quais artrite reumatoide, rinite, asma, diabetes, anemia ou insuficiência venosa”.

   Segundo a ministra da Saúde, os resultados deste projeto serão apresentados no primeiro trimestre de 2020.

   Fonte: GI|GPPS
02-02-2019
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Quebrar a confiança
Luís Guerra Rosa
Morte de peixes no Rio Alcoa e encerramento de balcão bancário em São Martinho do Porto
Carlos Bonifácio
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o