Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Qual a principal medida que o Governo deve tomar para aumentar a taxa de natalidade em Portugal?
Incentivos fiscais
Alargar o abono de família à classe média
Mais creches e mais baratas
Criar mais empregos para os pais
Nada
Edição Nº 91 Director: Mário Lopes Quinta, 8 de Maio de 2008
Uma das tribos mais populosas do Brasil
Índios Pataxó mostraram cultura indígena

     


A baiana afro-brasileira e os três índios Pataxó

O Município de Alcobaça recebeu no dia 7 de Maio, no âmbito da geminação de Alcobaça com Alcobaça do Brasil, uma comitiva brasileira composta por três Índios Pataxó e uma Baiana afro-brasileira. A apresentação que decorreu no auditório da ESDICA-  Escola Secundária D. Inês de Castro, contou com a apresentação de um vídeo sobre a comunidade Pataxó e o seu dia-a-dia, uma sessão de perguntas e a apresentação de duas danças Pataxó que simbolizavam a apresentação da tribo e o namoro. Descubra aqui a fascinante cultura Pataxó.

     A comitiva brasileira era composta por Laércio Silva, director cultural da Fundação Memorial da Epopéia do Descobrimento; Wilson Cruz, professor e presidente da Fundação Memorial da Epopéia do Descobrimento; Ana de Oliveira, coordenadora pedagógica; Karkaju, Juari e Cire,  índios Pataxó e a baiana Lucicleide Nascimento representante da Cultura afro-brasileira. Estiveram também presentes na iniciativa uma centena de alunos da escola e o presidente do Conselho Executivo, Gaspar Vaz.

   


A dança é uma das marcas indeléveis
da Cultura Pataxó

A sessão teve início com a visualização de um vídeo dos Ìndios Pataxó, mostrando cenas da vida quotidiana da tribo, entre danças, pinturas e produção de colares. Nesta apresentação foi possível ficar a saber que, apesar de terem sido quase dizimados, os Índios Pataxó constituem hoje uma das tribos mais populosas no Brasil. 

      Segundo Karkaju, secretário municipal da Prefeitura de Alcobaça no Brasil, existem mais de 420 povos e 180 línguas diferentes no Brasil, existindo uma grande diversidade de culturas indígenas, de acordo com a região onde habita. Dos 420 povos existentes no Brasil, 120 não têm qualquer tipo de contacto com a civilização, vivendo isolados na floresta e sobrevivendo apenas do que a natureza lhes oferece. O dia-a-dia de um índio da aldeia passa por cuidar da reserva, renovar as suas pinturas, receber visitantes na reserva e estudar, à noite.

     


Os alunos da escola foram convidados
a participar na dança do namoro

Segundo o secretário municipal da Prefeitura de Alcobaça da Bahia, a aldeia onde habitam, com uma área de cerca de 25 hectares, está dividida em três sectores: uma área urbana, outra área mais isolada e a área da Reserva da Jaqueira, que ocupa cerca de 56% do território da aldeia, onde os habitantes efectuam um trabalho de resgate e valorização de valores culturais e manutenção da reserva e da Cultura Pataxó, de forma a que o turista entenda a sua organização, a sua grande aptidão para a caça e o seu modo de vida há cerca de 400 anos. 

      O Índio Karkaju referiu também que na parte urbana da aldeia está instalado um centro de informática destinado às crianças da aldeia. Estas aprendem, além da sua língua tribal “Patxôhã”, o Português. Na escola, as crianças aprendem, além das línguas, a trabalhar e identificar a pintura Pataxó.

   


Alunos participaram animadamente na
apresentação das duas culturas brasileiras

    Curiosidades:
-      Sabia que é possível saber se um índio é Pataxó ou não, através da sua pintura?

-      Sabia que a dança é muito importante para a cultura índia? Existem vários tipos de dança: namoro, casamento, apresentação, ritual de lua cheia, entre outros?

-      Sabia que os adornos que os índios Pataxó usam são feitos com penas de várias aves, como por exemplo pato, pavão, galinha, arara ou águia, mas que não têm a prática de abater as aves para obter penas, usando apenas as que caem ou são extraídas de aves que morrem, preservando assim as espécies?

-      Sabia que o namoro Pataxó se inicia com o lançamento de uma “pedrinha” por parte do rapaz a uma rapariga e que, se ela devolver a “pedrinha”, se inicia então o namoro?

-      Sabia que antes do casamento, o rapaz tem que carregar, ao longo de um percurso  indicado pela família da noiva, um objecto com o peso semelhante ao da namorada e não o pode deixar cair, porque, se isso acontecer, o casamento não se realiza? Segundo os costumes Pataxó o homem deve salvar a sua mulher em caso de perigo e, por isso, é necessário saber se ele pode ou não carregá-la durante algum tempo.

-      Sabia que um índio casado não pode usar a pintura de solteiro e vice-versa?

-      Sabia que as baianas usam roupas grandes, porque inicialmente era desta forma que tentavam disfarçar a sua beleza diante dos patrões e assim passar despercebidas?

-      Sabia que os colares usados pelas baianas são alusivos a divindades e que funcionam como um amuleto de protecção para quem os usa?

-      Sabia que o turbante usado pelas baianas na cabeça era usado inicialmente por uma questão de higiene para cobrir os cabelos, e que se tornou na marca registada da vestimenta da baiana?

                 Executivo dá boas vindas à delegação brasileira

    

 


Recepção da delegação brasileira
de Alcobaça nos Paços do Concelho

Depois das sessões realizadas nas de Alcobaça e Benedita, a comitiva foi recebida pelo presidente da Câmara Municipal, José Gonçalves Sapinho e pela vereadora da Cultura, Alcina Gonçalves, no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Alcobaça, numa sessão de boas-vindas. Seguiu-se um almoço e um passeio pela região. Esta foi uma oportunidade única de troca de experiências entre os munícipes dos dois municípios, tendo o Executivo camarário deixado a promessa de voltar ao Brasil em breve.

      Em Alcobaça esteve também presente uma comitiva da Ilha de Moçambique, representada pelo presidente do Conselho Municipal da cidade da Ilha de Moçambique e pelo vereador da Área da Educação da mesma região.

    Mais informações sobre os Índios Pataxó em www.pataxo.com 

    TintaFresca
    C/ Gabinete de Imprensa da Câmara Municipal de Alcobaça
08-05-2008
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Comentário de aurecilia andrade
13-06-2013 às 18:08
Já tive oportunidade de estar junto com índios Pataxó em Salvador no Congresso Nacional de Direitos Humanos, achei muito bonito seu artesanato´aprecio a cultura indígena, amo o índios .
Comentário de aurelino avelino dos santos
08-05-2012 às 02:42
ja visitei varias aldeias dos pataxos e achei uma coisa muito bonita queria que as autoridades arcasse com as promessa e desse mais condiçoes e dignidade aos povo indigenas nem so os pataxos como as outras etinias; porque sao eles os maiores e fies da nossa naçao.
Comentário de Marília
08-01-2012 às 13:46
Eu conhecir os pataxos em Aracaju Sergipe na feira das nações na praia de atalaia. Eu amei os pataxos são a essência de nosso brasil. São maravilhos parabéns pela matéria. Sou de recife e sempre que posso vou p águas belas ver a tribo funio amo os índios de coração. Eles que são os seres humanos de verdade q cuidam da natureza. Amo amo. Vcs mto mto mto
Comentário de silmara lima
25-07-2011 às 14:36
eu sou india pataxó ..tenho orgulho da minha cultura indigena. Adorei essa materia... bjks
Comentário de JUARI PATAXO
27-04-2009 às 17:13
Gostaria do apoio dos governantes para fazer um novo trabalho em Portugal.palestra,divulgação,danças e outros demostrações indigena e uma forma de buscar melhorias para as comunidades.
Comentário de JUARI PATAXÓ
27-04-2009 às 17:07
Os governantes devem abrir as portas para os povos indigenas, tanto como nacional e internacional, nos projetos voltados as comunidades indigenas.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Carta Aberta a António José Seguro
Jorge Mangorrinha
Tomada de posição pública sobre o futuro Parque Verde
Carlos Bonifácio
As Trincheiras de Lisboa
Joaquim Vitorino
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o