Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Quem vai crescer mais nestas eleições autárquicas?
PS
PSD
CDU
CDS
BE
Independentes
Outros
Edição Nº 62 Director: Mário Lopes Quinta, 1 de Dezembro de 2005
Opinião
Os Bancos Alimentares Contra a Fome e a Generosidade dos Portugueses

 Fernando Lidon

Em Portugal, cerca de 21% da população tem um rendimento inferior ao limiar de pobreza. Afronta-se assim o artigo 25º da Declaração Universal dos Direitos do Homem, segundo o qual toda a pessoa tem direito a um nível de vida que lhe assegure a saúde e o bem-estar, nomeadamente alimentação, vestuário, alojamento, assistência médica e os serviços sociais básicos.

Em Portugal, as informações provenientes dos sistemas de poder tendem a aliciar as mentes, perspectivando ideologias e dogmatismos específicos. Promovem-se notícias que em larga medida não reflectem uma evolução cientifica da realidade económica, política e social, e que tendem a alienar a população da realidade. Discorrem assim as hegemonias dos sistemas ilícitos de poder, que assumem como princípio fundamental o egoísmo, a ganância, e o hedonismo, e promovem a insegurança da população dependente. Desta feita, promove-se um alto índice de marginalização, destaca-se a "política do salva-se quem pode", e desenvolve-se a prostituição, roubos e furtos, assaltos, sequestros, promiscuidade, estupros de diversos tipos, discriminação ao trabalho, desrespeito aos velhos, mendicância e muitas outras formas de patologia própria de um sistema em degradação, ou em estado de pobreza latente.

Independentemente da acção governativa regional e nacional, e dos sistemas de bloqueio prevalecentes na sociedade, a generosidade do povo português, nomeadamente no apoio ao Banco Alimentar contra a Fome, continua a revelar a humanidade e o sentimento sem mácula, para quem mais sente a agruras da vida. Os Bancos Alimentares são instituições particulares de solidariedade social que distribuem de forma gratuita produtos alimentares às pessoas carenciadas. Em Portugal, no corrente ano recolheram e distribuíram 1470 toneladas de produtos, apoiando mais de 203.000 pessoas. Esta acção consolida outras que ocorreram ao longo dos últimos anos, demonstrando que os portugueses acreditam que isoladamente podem fazer a diferença, e que basta um pequeno gesto de quem pode, para minorar as carências de quem precisa de ajuda para se alimentar.

Não podendo escamotear as instituições de solidariedade social, o Estado Português permite que 0,5% do IRS liquidado reverta a favor das mesmas, nomeadamente para a Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome. Contudo, as entidades governativas exigem que para tal seja preenchido o Modelo 3 - Anexo H - Benefícios fiscais e deduções no Quadro 9, campo 902, consignando de 0,5% do imposto liquidado. Embora se deve considerar esta medida como sendo globalmente positiva, caberá perguntar porque razão não é a mesma amplamente divulgada junto dos contribuintes portugueses? Em nome do Estado Social que Portugal também deve ser, talvez cada português deva também reflectir porque não se tornou ainda automático e obrigatória a transferência dessa verba para as instituições de solidariedade social? Porque será que existe uma tão prolixa legislação para atribuição de tantas mordomias e esbanjamento de fundos no Estado Português, renegando-se os aspectos de solidariedade social para planos obscuros?


         Fernando José Cebola Lidon
Professor Universitário (fjoseceb@netvisao.pt )
30 de Novembro de 2005

01-12-2005
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Porque apoio Manuel Alegre
Uma segunda volta clarificadora
Voto Jerónimo de Sousa É precisa memória e não ser ingénuo! Ter confiança e muita determinação!
Não dou cavaco
Mensagem do Natal 2005
Porque é feriado dia 8 de Dezembro? Imaculada Conceição de Maria Santíssima
O Pesadelo do Pai Natal
Os Bancos Alimentares Contra a Fome e a Generosidade dos Portugueses
O "meu" Brasil
Restauração da Independência de Portugal
As eleições presidenciais
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o