Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Os espectadores de futebol devem poder regressar aos estádios?
Sim, com restrições
Não
Não sei / talvez
Edição Nº 237 Director: Mário Lopes Sábado, 3 de Outubro de 2020
Comunidade Intermunicipal do Oeste (com 140%) foi a que mais investiu no transporte público a nível nacional
Autarcas do Oeste pedem ao Governo reforço
do financiamento para os transportes públicos
  
                                       Rodoviária do Oeste
A Comunidade Intermunicipal do Oeste veio destacar, no dia 2 de outubro, a necessidade de ser reforçado o financiamento, por parte do Governo, para os transportes públicos na região Oeste.

   A necessidade de desdobrar a oferta de transportes públicos no Oeste e na oferta para Lisboa, com os milhares de pessoas no fluxo diário que existe para esta área metropolitana, assim como, o reforço do transporte escolar, pelo desdobramento de horários ou pelos 2/3 de limite definido por cada veiculo, a Comunidade Intermunicipal do Oeste e os seus municípios, por força do quadro normativo em vigor que estabelece a definição de procedimentos de atribuição de financiamento e compensações aos operadores de transportes essenciais, no âmbito da pandemia COVID-19, tem que compensar os operadores de transporte público em mais de 4ME, valores apurados tendo em consideração o segundo semestre.

  O presidente da Comunidade Intermunicipal do Oeste realça a particular a situação do Oeste no contexto da presente política pública que, de acordo com o relatório do Programa de Apoio à Redução Tarifária, foi a região com maior taxa de execução em todo o território nacional, com cerca de 140%.

   Segundo Pedro Folgado, estes números demonstram claramente o investimento que os Municípios do Oeste fizeram nesta importante politica pública, em beneficio das famílias, dos trabalhadores ou dos estudantes, designadamente com a redução do valor dos seus passes, contribuindo, assim, para aumentar o rendimento disponível dos cidadãos, para contribuir para a atratividade do território e para a sua coesão.

   Pelo referido relatório de avaliação apresentado, apenas o Oeste, Terra de Trás os Montes e a AM Porto, com 140%, 110% e 104%, respetivamente, colocaram recursos financeiros próprios no programa de redução tarifária, acima do definido no quadro legal, inferindo-se que todas as outras regiões terão que devolver verbas ao Estado Central.

   Assim, realçando mais uma vez o acima explanado, a Comunidade Intermunicipal do Oeste, com todas as especificidades acima espelhadas, vem comunicar que tudo está a fazer para repor a normalidade possível no âmbito dos transportes públicos, mas que este esforço não dispensa o reforço do financiamento, por parte do Governo, para os transportes públicos na região, permitindo assim que este objetivo seja concretizável, mas sem que, com isso, se atinjam níveis de financiamento incomportáveis para os municípios que a integram.
03-10-2020
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Estrada Nacional Nº 1
Nuno Catita
Alcobaça e o Futuro
Rui Alexandre
Dever de informar
Carlos Bonifácio
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o