Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
O Governo deve fazer mais para combater as alterações climáticas?
Sim
Não
Não sei/talvez
Edição Nº 80 Director: Mário Lopes Quinta, 7 de Junho de 2007
Alcobaça
Carducci Quartet e Orquestras de Lisboa
no Cistermúsica a 9 e 10 de Junho

     


Carducci Quartet

O grupo irlandês Carducci Quartet actua no dia 9 de Junho (sábado) às 18 horas, no Mosteiro de Cós. Sob o tema «A Europa do Quarteto de Cordas», serão interpretadas obras de Joseph HAYDN, Antonin DVORÁK e Maurice RAVEL. No domingo, 10 de Junho às 11 horas da manhã, é a vez dos Pequenos Violinos da Metropolitana subirem ao palco do Cine-Teatro de Alcobaça, num concerto para pais e filhos, com entrada livre. O domingo musical termina às 18 horas com a Orquestra Metropolitana de Lisboa e a Orquestra Académica de Lisboa,  interpretando oras de Nicolay Rimsky-KORSAKOV – "Capricho Espanhol" e Franz SCHUBERT (8.ª Sinfonia, «A Grande»).

 

                              Programa

9 DE JUNHO (SÁBADO)
18H00 – MOSTEIRO DE COZ
«A Europa do Quarteto de Cordas»
CARDUCCI QUARTET (IRLANDA)
Matthew Denton (violino)
Michelle Fleming (violino)
Eoin Schmidt-Martin (viola)
Emma Denton (violoncelo)
Obras de Joseph HAYDN, Antonin DVORÁK e Maurice RAVEL
Preço: 5 euros.

10 DE JUNHO (DOMINGO)
11h00 – Cine-Teatro de Alcobaça
PEQUENOS VIOLINOS DA METROPOLITANA
Concerto para Pais e Filhos
Entrada livre.

10 DE JUNHO (DOMINGO)
18h00 – Cine-Teatro de Alcobaça
«Bailado versus Sinfonia»
ORQUESTRA METROPOLITANA DE LISBOA
Michael Zilm (direcção)
ORQUESTRA ACADÉMICA METROPOLITANA
Jean Marc Burfin (direcção)
Obras de Nicolay Rimsky-KORSAKOV – "Capricho Espanhol" e Franz SCHUBERT (8.ª Sinfonia, «A Grande»)
Preço: 5 euros

                      C A R D U C C I Q U A R T E T

      Depois de vencer a Competição Internacional de Música de Câmara, em Kuhmo (Finlândia), o prémio especial de "Comunicação e Cultura", Competição Internacional para Quartetos de Corda de Bordéus (França), em 2005 e o Prémio Especial do Júri da Competição Internacional para Quartetos de Corda de Londres (Reino Unido), em 2006, o Quarteto Carducci é considerado um dos melhores quartetos de corda jovens europeu.

      Igualmente laureados e premiados pelas melhores Academias do Reino Unido, cada um dos seus membros estudou com músicos pertencentes a alguns dos melhores e mais famosos quartetos, incluindo o Amadeus, Alberni, Takacs, Vanbrugh e Chilingirian. Recentemente, trabalharam com Paul Katz, do Quarteto de Cleveland, em Paris, integrando o projecto ProQuartet, para jovens profissionais. O Quarteto Carducci foi, também, premiado na Competição Internacional para Música de Câmara, em Osaka (Japão) e no Concurso Internacional "Charles Hennen" (Holanda). Em 1997, o Quarteto recebeu a Medalha de Ouro do Festival Castagnetto-Carducci, em Itália, cidade que dá o nome ao agrupamento.

      As suas digressões levaram-nos a apresentarem-se em diversos países, tais como a França, Alemanha, Grécia, Itália, Espanha, Portugal, Irlanda e na Bélgica, país no qual foram convidados para participar, como professores, na European String Teachers Association. Durante vários anos, foram "artistas residentes" no Festival de Beaumont (França). Em 2004 gravam o CD "Le Grand Tango", para a editora holandesa Channel Classics, no qual interpretam música de Astor Piazzolla, com o famoso duo de guitarristas húngaros Katona Twins, o contrabaixista inglês Daniel Storer e o argentino Alfredo Marcucci (bandoneon).

      Colaboraram, também, com a companhia de dança de Henri Oguike, apresentando o Quarteto nº 9 de D. Schostakovich. Acabam de concretizar uma edição própria, com obras de Joseph Haydn. Dos seus recitais mais recentes, destacam-se os realizados em Cork (República da Irlanda), no quadro da Capital Europeia da Cultura, no Purcell Room do "The Park Lane Artists Séries", em Londres (Reino Unido), no Wigmore Hall (Londres) e no Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim.

Os Pequenos Violinos da Metropolitana

      A aprendizagem de um instrumento pode ser feita de múltiplas e variadas maneiras, tantas
quantos os professores e alunos envolvidos num processo tão altamente personalizado. Vários
pedagogos sistematizaram metodologias de ensino que vieram a inspirar um sem número de
abordagens repensadas e aplicadas em função de diferentes realidades. Uma delas deriva do
método concebido pelo pedagogo japonês S. Suzuki, que atribui um papel fundamental às aulas de conjunto e permite o início da aprendizagem desde muito cedo, podendo começar aos 3 anos de idade.

      Esta metodologia desenvolve as capacidades visuais, auditivas e motoras, promovendo a autoestima e o companheirismo entre os alunos, pais e professores. Assim, e tendo em consideração as experiências pedagógicas acumuladas nos últimos anos, não só na Escola Metropolitana de Música de Lisboa como noutras escolas em Portugal e nos EUA, passou a funcionar na Metropolitana uma organização de estudos baseada nesta metodologia desde o ano lectivo 1998/99, como alternativa ao método tradicional. Este projecto beneficiou de uma remodelação a nível ideológico, estrutural, e pedagógico no ano lectivo de 2004/2005 adoptando o nome de Os Pequenos Violinos da Metropolitana.

      Neste sistema, para além das aulas individuais semanais de 1 hora, os alunos frequentam mensalmente duas aulas de conjunto, as quais permitem preparar um vasto repertório musical e dar assim resposta a tantas e tão diversificadas solicitações de concertos. É assumida uma vertente humana muito forte, sendo de realçar os diversos concertos de solidariedade frequentemente realizados. Os professores do grupo, sob a orientação da direcção da Orquestra Metropolitana de Lisboa, valorizam e promovem um espírito de companheirismo entre alunos e famílias envolvidas.

      Crentes de que o ensino da música é fundamental no desenvolvimento intelectual, físico, e cultural das crianças, é com todo o empenho que se dedicam a este projecto. Actualmente, a orquestra Os Pequenos Violinos da Metropolitana, é constituída por cerca de 80 alunos com idades compreendidas entre os 3 e os 15 anos. A classe é orientada e coordenada pela Professora Inês Saraiva, que assume também a direcção artística deste projecto.

       Inês Saraiva iniciou o estudo de violino aos 5 anos de idade com a professora Leonor Prado. Posteriormente ingressou no Conservatório Nacional de Música onde concluiu o Curso Geral de Violino na classe do Professor Manuel Gomes. Em 1992 foi admitida na Escola Superior de Música de Lisboa, tendo como professores António Anjos, em violino, e Olga Prats, em Música de Câmara. Enquanto bolseira do Programa Europeu de Intercâmbio de Alunos, frequentou a Escola Superior de Música de Malmö, na Suécia, onde estudou com a professora Jennifer Wolf.

      Em 1994 obteve o grau de Bacharel, prosseguindo os estudos na Northwestern University, da qual foi bolseira, na classe de Gerardo Ribeiro. Nesta universidade, onde concluiu o Mestrado de Violin Performance em 1999, foi aluna de Victor Yampolsky, Blair Milton, Richard Young, Betty Haag, Quarteto Vermeer e do Quarteto da Orquestra Filarmónica de Berlim, entre outros. Foi ainda assistente da classe de pedagogia da professora Stacia Spencer.

      Inês Saraiva colabora regularmente com a Orquestra Sinfónica Portuguesa, a Orquestra
Gulbenkian e a Orquestra Metropolitana de Lisboa. Desde 1997 dedica-se em particular ao ensino,nomeadamente na Roosevelt University of Chicago onde estudou pedagogia Suzuki, enquanto assistente da professora Betty Haag. É desde Setembro de 2000 professora nas escolas da Orquestra Metropolitana de Lisboa e responsável pela direcção artística da orquestra Os Pequenos Violinos da Metropolitana.

                  Orquestra Metropolitana de Lisboa

      Tutelada pela Associação Música Educação e Cultura (AMEC), a Orquestra Metropolitana de Lisboa (OML) estreou-se no dia 10 de Junho de 1992, tendo como solista a pianista Maria João
Pires. Desde então, assegura uma intensa actividade onde também têm lugar o reportório sinfónico  - integrando os jovens músicos da Orquestra Académica Metropolitana - e os recitais de música de  câmara. A participação em iniciativas culturais de índoles diversas tem-lhe permitido contribuir para  a criação de novos públicos e consolidar o carácter inovador do seu projecto, onde junta à dimensão artística a prática pedagógica das suas escolas – a Academia Nacional Superior de Orquestra e o Conservatório Metropolitano de Música de Lisboa.

      Um ano após a sua criação e sob a direcção do maestro Miguel Graça Moura, a OML apresentou-se em Estrasburgo e Bruxelas a convite da Comissão e do Parlamento Europeus, seguindo-se em 1997 uma tournée por Itália, Índia, Coreia do Sul, Macau e Tailândia e, em 1999, uma outra pelo Japão. Em Setembro de 2001 regressou à Tailândia como convidada do III Festival Internacional de Música e Dança de Bangkok.

    Presentemente, conta com a Direcção Artística do maestro Álvaro Cassuto e cabe-lhe a
responsabilidade de assegurar uma programação regular em nove autarquias da região centro e  sul, para além de, em colaboração com o Inatel, promover uma efectiva descentralização cultural do norte ao sul do país.

      Ao longo dos anos, tem sido dirigida pelos mais importantes nomes da direcção orquestral portuguesa e por inúmeros maestros estrangeiros de elevada reputação, onde se incluem Jean-Sébastien Béreau, José Collado, Olivier Cuendet, David Gimenez, Nicholas Kraemer, Lucas Pfaff, Brian Schembri, Marc Tardue, Victor Yampolsky e Michael Zilm. Entre os inúmeros solistas que têm colaborado com a OML destacam-se Liliana Bizineche, Pedro Burmester, Monserrat Caballé, José Carreras, Ana Bela Chaves, José Cura, Augustin Dumay, Aníbal Lima, Irene Lima, Paulo Gaio Lima, Maria João Pires, Artur Pizarro, Tatiana Nikolayeva, Boris Martinovitch, Elisabete Matos, Anne Queffélec, Gerardo Ribeiro, Luís Rodrigues, António Rosado, Arve Tellefsen, entre tantos outros.

      Nos últimos meses juntaram-se-lhes os nomes de Leon Fleisher, Natalia Gutman e Raphaël Oleg. A OML já gravou nove CDs para diferente editoras, incluindo a EMI Classics e a RCA Classics. Em 1996 foi-lhe atribuído um Disco de Platina pela venda de mais de 24.000 exemplares do seu segundo disco. A última gravação regista três sinfonias de Carl Ditters von Dittersdorf e foi recentemente editada pela NAXOS. A Direcção da AMEC é presidida por Gabriela Canavilhas e tem como vogal Isabel Bandeira.

Orquestra Metropolitana de Lisboa

      A OAM estreou-se em 1993, na sequência da criação da Academia Nacional Superior de
Orquestra, instituição única no país, destinada a formar músicos profissionais nas áreas de
Instrumento e Direcção de Orquestra. O ensino aqui ministrado é composto de um
acompanhamento individual especializado, da prática de música de câmara e de uma vasta
componente teórica, sendo a orquestra o eixo central da formação destes jovens músicos.
Entre 1994 e 2000 a ANSO foi orientada pedagogicamente pelo Professor João Pinheiro a quem se deve parte do sucesso e reconhecimento que a escola tem hoje em dia. Desde o seu início a OAM é orientada por Jean-Marc Burfin que é, simultaneamente, o seu maestro titular e director
artístico.

      Constituída inicialmente por menos de trinta elementos, a OAM é hoje uma formação sinfónica com cerca de 100 músicos. Com uma temporada que se estende ao longo do ano lectivo, a OAM mantém uma actividade regular de ensaios e concertos, apresentando-se não só na área metropolitana de Lisboa como noutras localidades do país. Com mais de 250 concertos realizados abarcando um repertório que vai do Barroco à música do século XX, a OAM tem executado obras de compositores tão significativos como Bach, Haydn, Mozart, Beethoven, Brahms, Schubert,
Mendelssohn, Mahler, Ravel, Debussy, Milhaud, Bartok, Hindemith, Stravinsky e Varèse, entre
outros.

      Para além do maestro titular, a OAM é habitualmente dirigida pelos alunos do curso superior de Direcção de Orquestra. Muitos dos concertos contam com a presença de maestros convidados,  tais como Jean-Sébastien Béreau, Pascal Rophé, Robert Delcroix e Brian Schembri. Os alunos da  Academia têm frequentemente oportunidade de tocar a solo com a orquestra. A OAM teve já o privilégio de tocar com vários solistas de renome como António Rosado, Gerardo Ribeiro, Paulo Gaio Lima, Liliane Bizineche, Francine Romain, Miguel Borges Coelho, Artur Pizarro, François Leleux e, num concerto humorístico, o quarteto italiano Banda Osíris.

      Em Setembro de 2001 a OAM participou no Porto 2001 Capital da Cultura num encontro
internacional de orquestras de jovens onde tocou o "War Requiem" de Britten. Em Maio de 2002 e
2004 participou na Festa da Música, no CCB, executando obras de Mozart, Vivaldi e Mendelssohn. Em Setembro de 2002 apresentou-se em São Miguel, Açores e, em Julho de 2004, participou no Festival MusicAtlântico nas ilhas de S. Miguel e Terceira.

07-06-2007
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
EDITORIAL
A Linha do Oeste, o TGV e o Aeroporto da Ota
Mário Lopes
OPINIÃO
Perpetuum mobile - Celebrar a Continuidade
Miguel Sobral Cid
XV Cistermúsica - Festival de Música de Alcobaça
Alexandre Delgado
Óbidos já é uma “Maravilha de Portugal”, mas...
Carlos Orlando Rodrigues
A importância da arquitectura nas cidades com património histórico
Carlos Bonifácio
“Ao Menino e ao Borracho mete Deus a mão por baixo…”
Isabel Ferreira e Margarida Batalha
De novo a diáspora?! Ou multilocalidade?
Alzira Simões
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o