Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
O PS merece ter maioria absoluta nas eleições legislativas?
Sim
Não
Não sei / talvez
Edição Nº 70 Director: Mário Lopes Quinta, 10 de Agosto de 2006
Alcobaça
Alcina Gonçalves: "Queremos fazer um pavilhão multiusos como deve ser no MercoAlcobaça"

       
           Com a Feira de São Bernardo à porta, a vereadora da Cultura, Educação, Desporto e Acção Social da Câmara de Alcobaça concedeu uma entrevista ao Tinta Fresca em que fala da programação deste ano das festas do concelho, dos concertos de Mariza no Mosteiro de Alcobaça e da Filarmónica Gil em S. Martinho do Porto, do realojamento das famílias ciganas, do Armazém das Artes, das escolas, do Rossio e do projecto do Festival Internacional de Contos Mágicos.

TINTA FRESCA - Quais são as novidades desta edição da Feira de São Bernardo?
ALCINA GONÇALVES - A novidade da feira é a poupança, mas vai ser nos mesmos moldes. É uma conversa muito repetitiva, há vários anos que digo que o meu grande sonho era fazer a feira num pavilhão novo. Isso está a ser estudado, já foram dados alguns passos porque vem aí o novo Quadro Comunitário de Apoio e a Câmara está-se a preparar: queremos fazer daquele edifício um pavilhão multiusos como deve ser.

Este ano, a feira tem muitos dias, oito, decorre de 20 a 27 de Agosto. Começa num domingo, vai ter as mesmas provas desportivas, ciclismo, perícia, muitas provas hípicas e free style, a exemplo do que já sucedeu no ano passado. Em termos de programação, vamos começar com os Toranja, um grupo pop, depois o Rouxinol Faduncho, que está na moda, o Padre Borga, ranchos, a Orquestra Típica e Coral de Alcobaça e vamos terminar com o Emanuel.

Como começa a um domingo, vamos ter também uma missa dedicada a S. Bernardo. A feira terá uma parte dedicada às actividades da Câmara e das juntas e será sempre uma feira popular, do encontro de todos os alcobacenses, de quem nos visita e dos emigrantes.

TINTA FRESCA - O concerto da Mariza é organizado pela Câmara de Alcobaça? Como surgiu a ideia de realizar o concerto no Claustro do Rachadouro?
ALCINA GONÇALVES - A maior parte dos eventos, se não quase a totalidade, são organização nossa e este também. O concerto insere-se na digressão nacional de Verão da Mariza, é uma co-produção da produtora da Mariza e da Câmara. As obras do Rossio estão praticamente terminadas, mas tem havido problemas com o saibro e, por isso, decidimos fazer o espectáculo dentro do Mosteiro. Há dois ou três claustros que nunca foram utilizados, fomos vê-los com o senhor director e concluímos que o melhor era o Claustro do Rachadouro. A Câmara está a fazer a limpeza e esperamos torná-lo um espaço agradável para o concerto.

TINTA FRESCA - A Câmara vai fazer parte da direcção do Armazém das Artes, do escultor José Aurélio, a inaugurar brevemente. Como vê o projecto?
ALCINA GONÇALVES - Sobre esse assunto não gostaria de falar porque o acordo foi negociado com o Dr. Sapinho.

TINTA FRESCA - Mas concorda que é uma mais-valia para Alcobaça?
ALCINA GONÇALVES - Sem dúvida, é mais uma iniciativa que irá valorizar Alcobaça.

TINTA FRESCA - Como vai a gestão do Cine-Teatro?
ALCINA GONÇALVES - Continuamos com o mesmo número de funcionários, é uma equipa pequena, mas que funciona muito bem e o Rui Morais continua a ser o responsável pela programação. Continuamos também a fazer parte da Artemrede, pagamos uma quota anual em troca de alguns espectáculos.


TINTA FRESCA - No entanto, o presidente da Câmara de Torres Novas anunciou a intenção da autarquia de sair da Artemrede por não a considerar um bom negócio...
ALCINA GONÇALVES - Terá de colocar essa questão ao presidente da Câmara de Torres Novas... De qualquer forma, temos conseguido manter o nível de programação do cineteatro, não dá lucro como é natural, mas temos conseguido controlar as despesas.

O bar do Cine-Teatro vai abrir em breve 
TINTA FRESCA - Para quando os utentes do Cine-Teatro de Alcobaça vão poder tomar um café ou beber uma água nos intervalos dos espectáculos?
ALCINA GONÇALVES - O bar tem um problema, de que só nos apercebemos mais tarde: é que dá acesso a todo o interior do Cine-Teatro e, por razões de segurança, não é possível mantê-lo aberto fora do horário dos espectáculos. No entanto, pensamos em breve abrir concurso para a sua exploração durante os períodos em que há espectáculos.

TINTA FRESCA - Como estão as finanças do pelouro da Cultura? Tanto quanto sei, não cancelou este ano nenhuma das habituais actividades culturais.
ALCINA GONÇALVES - Não, apenas reduzimos as despesas com a Feira de São Bernardo de 20 mil para 12 mil e, por isso, conseguimos trazer a Mariza no dia 11 de Agosto a Alcobaça. Continuamos com uma programação cultural intensa e ainda este mês de Agosto vamos organizar as comemorações da Batalha de Aljubarrota, com a realização da Feira Medieval.

TINTA FRESCA - Falou-se na hipótese de comemorações conjuntas com as Câmaras de Porto de Mós e da Batalha, com a colaboração da Fundação Batalha de Aljubarrota. Não se confirmou?
ALCINA GONÇALVES - Ninguém nos contactou nesse sentido.

TINTA FRESCA - O responsável pelo Festival Internacional de Acordeão de Alcobaça anunciou que este ano não organizaria o festival. Houve redução de financiamento da autarquia ao festival?
ALCINA GONÇALVES - Não. Este ano nem sequer nos foi solicitado financiamento, por isso, a Câmara nada tem a ver com essa decisão.

TINTA FRESCA - Confirma que os alunos da Banda de Alcobaça vão poder contar no próximo ano com uma redução na sua mensalidade?
ALCINA GONÇALVES - Sim, os cursos da Banda de Alcobaça vão ser apoiados pela Câmara, de forma a que mais alunos se possam inscrever para estudar música.

TINTA FRESCA - A ministra da Educação anunciou o reforço de verbas para enriquecimento dos currículos das escolas do 1º Ciclo, creio que além do Inglês, haverá também Educação Física e Música.
ALCINA GONÇALVES - Este ano já tivemos Inglês nas escolas do 1º Ciclo. Quanto à Educação Física, as crianças do concelho já têm Desporto Escolar, incluindo aulas de Natação nas piscinas municipais e transporte pago pela Câmara. Este ano candidatámo-nos a mais ateliês, mas nem sempre é possível disponibilizá-los, sobretudo, por falta de instalações. Por exemplo, em Alcobaça, devido à sobrelotação da escola, é inevitável haver turmas com aulas de manhã e turmas com aulas à tarde.

TINTA FRESCA - Finalmente conseguiu resolver o problema do realojamento das famílias ciganas instaladas na Quinta da Conceição. Está satisfeita com o decorrer do processo?
ALCINA GONÇALVES - Foi um dia importante para Alcobaça. Por vezes diz-se muito mal dos funcionários públicos, mas posso assegurar que, neste caso, a equipa da Câmara fez um trabalho fantástico de acompanhamento das famílias. E as famílias também ficaram satisfeitas, como a comunicação social pôde comprovar.

TINTA FRESCA - O Governo anunciou esta semana que tenciona enveredar pelo apoio ao arrendamento temporário de habitações para famílias carenciadas, em vez da doação de casas. Pode ser também uma solução para casos idênticos?
ALCINA GONÇALVES - Sim. Há outros casos de famílias com carências de habitação no concelho que estamos a acompanhar e essa pode ser uma solução, no futuro.

TINTA FRESCA - Sei que não é do seu pelouro, mas quem passa pelo Rossio ou se senta nas esplanadas percebe que cada vez é maior a sujidade do pavimento e a existência de lixo no chão. Não há forma de minorar este problema? A calçada não deveria ser lavada regularmente?
ALCINA GONÇALVES - Como disse, esse não é o meu Pelouro, mas a solução tem de passar por as pessoas serem mais educadas e não deitarem lixo para o chão.

TINTA FRESCA - Foi recentemente constituída na Benedita a associação Fórum Terra Mágica das Lendas, que tem um projecto de realização de um festival internacional de lendas tradicionais. No entanto, tanto quanto sei, a candidatura a fundos comunitários exige também um investimento avultado por parte da autarquia.
ALCINA GONÇALVES - Eu acompanhei a formação da associação desde o primeiro dia e posso dizer que vamos apoiar a realização do festival internacional de lendas na Benedita, em associação com associações da Galiza e de Berlim. Sei que são cerca de 250 mil euros, mas a nossa intenção é apoiar o projecto dirigido pela professora Lúcia Serralheiro.


          

10-08-2006
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
O raio
Elsa Proença
O Ordenamento do Território e a Protecção da Natureza
Eugénio Sequeira
Líbano: Uma Guerra sem Solução?
Paulo Batista Santos
O 150º aniversário do nascimento de Marcelino Mesquita
Paulo Caldas
Líbano
Ricardo Miguel
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o