Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Quem vai vencer as eleições presidenciais no Brasil?
Jair Bolsonaro
Fernando Haddad
Edição Nº 211 Director: Mário Lopes Domingo, 22 de Julho de 2018
Dia 25 de julho
Workshop traz especialistas à Marinha Grande para analisar recuperação das Matas do Litoral
  
  Matas do litoral têm vindo a ser reflorestadas
                     após os incêndios de 2017
A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvol- vimento Rural, a Câmara Municipal da Marinha Grande e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas promovem um workshop no âmbito do Programa de Recuperação das Matas do Litoral, a realizar no dia 25 de julho de 2018 (quarta-feira), das 09h30 às 13h00, no Auditório da Resinagem, na Marinha Grande. A iniciativa conta com a participação da Comissão Científica Nacional para a recuperação das Matas Nacionais do Litoral.

   O Acordo de Cooperação para a Criação da Comissão Científica do Programa de Recuperação das Matas Litorais, foi outorgado pelo ICNF, pelo Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, pelos Institutos Politécnicos de Bragança, Coimbra e Leiria, pelo Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa e pelas Universidades de Aveiro, Coimbra e de Trás-os-Montes e Alto Douro, no dia 22 de janeiro, na Marinha Grande.

   O Acordo de cooperação tem como objectivos a recolha, compilação e sistematização da informação técnica e científica relativa à gestão das matas litorais; a avaliação do procedimento atual de elaboração e implementação de Planos de Gestão Florestal (PGF) e de estabilização de emergência, reabilitação e recuperação de longo prazo, apresentando propostas para o seu melhoramento/optimização; a participação na execução de ações de divulgação de boas práticas no âmbito da recuperação de áreas ardidas na zona litoral e o treino e formação de técnicos e equipas especialistas no planeamento e na implementação das ações previstas nos pontos anteriores.

   Consideram-se como tarefas prioritárias a executar:

   Avaliação dos efeitos:
- Recuperação de parcelas de estudo e investigação existentes nas matas litorais e sua integração em programas de monitorização futuros;
- Estabelecimento de programa e rede de parcelas de estudo e monitorização do efeito do fogo e da evolução dos ecossistemas;
Avaliação da severidade do fogo em ecossistemas dunares.

   Estabilização de emergência:
- Monitorização da erosão eólica e hídrica e definição das ações de intervenção mais eficientes;
- Normas para a condução de povoamentos de alto-fuste de pinheiro ardidos, na vertente de proteção civil (interface com as atividades de recreio e utilização humana das matas) e na vertente de gestão da paisagem.

   Reabilitação:
- Monitorização e controlo das invasões biológicas em sistemas dunares;
- Monitorização e controlo fitossanitário;
- Monitorização do impacte dos incêndios e estratégia e técnicas de reabilitação de habitats e de espécies com especial valor de conservação (ecossistemas terrestres);
- Monitorização do impacte dos incêndios e estratégia e técnicas de reabilitação de habitats e de espécies com especial valor de conservação (ecossistemas aquáticos).

   Recuperação de longo prazo:
- Avaliação dos modelos de silvicultura praticados em função das procuras sociais e das linhas de política florestal e de outras políticas setoriais relevantes atualmente em vigor, maximizando o contributo das matas litorais para a economia nacional e identificação de melhorias a introduzir ou de novos modelos a adotar nos PGF;
- Modelos de silvicultura e de gestão para habitats e paisagens especialmente sensíveis (secções de proteção e margens de lagoas e linhas de água);
Modelos de silvicultura para áreas de equipamentos de turismo e recreio;
- Aumento da resistência das matas aos fatores bióticos e abióticos (incluindo incêndios e tempestades), identificando técnicas de silvicultura preventiva, de organização dos povoamentos e de implantação das redes de defesa da floresta;
- Sistema de apoio à gestão das matas litorais.

   Participação pública e sensibilização:
- Avaliação e melhoria dos modelos de participação pública e das diferentes partes interessadas na gestão das matas litorais;
- Modelo de sensibilização e informação pública sobre a gestão das matas litorais e as intervenções de recuperação e de valorização turística e cultural, com base no património natural e construído;
- Sinergia do processo de recuperação das matas litorais com o da efetivação do Museu Nacional da Floresta e conservação do restante acervo histórico.

   Fonte: AI|CMMG
22-07-2018
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Feira de Santa Iria: que futuro?
Tiago Carrão
Estado da limpeza dos contentores e do Mercado Semanal de Alcobaça
Carlos Bonifácio
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o