Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Os espectadores de futebol devem poder regressar aos estádios?
Sim, com restrições
Não
Não sei / talvez
Edição Nº 210 Director: Mário Lopes Domingo, 3 de Junho de 2018
Opinião
Das "crises" do estado-empresa e da empresa-estado
  
            Valdemar J. Rodrigues
O porquê da tão grande frequência (ou ciclicidade, como diria Karl Marx) das "crises" que o estado-empresa e a empresa-estado têm tido ao longo da história é talvez porque elas lhes são frequentemente úteis e necessárias; a razão dessa necessidade é talvez demasiado simples de compreender e, por isso, só alguns, certamente poucos, a compreenderão.

   Geralmente, como convém ao estado-empresa e à empresa-estado, as pessoas pensam que as "crises" resultam de uma "escassez" - "escassez" que talvez não por acaso é o objecto de uma "ciência económica" - como aliás bem as sentem na sua (pequena) vida. Se lhe disserem que a "crise" se deve à abundância elas em regra não acreditam, pois não é isso que experimentam nas suas (pequenas) vidas, A "vida" do estado-empresa e da empresa-estado é, a contrario, grande; é, pode em rigor dizer-se, um "viver" na e para a grandeza. Então, e se a abundância, que a técnica com o seu condão de democratizar-se possibilita, fosse na verdade a grande alavanca das "crises"? E se a técnica aos poucos fosse permitindo a um cada vez maior número de pessoas "viver acima das possibilidades", como dizem os hipócritas e os ignorantes? Um "acima das possibilidades" que, prolongando-se, encontra boa recepção em canalhas, genocidas e assassinos de multidões, gente que o leva, como bem sabemos ou devíamos saber, ao limite do "imerecido excesso" de ainda estarmos vivos. A "crise" seria portanto o processo ou instrumento concentrador dessa fortuna (que usa a técnica a seu favor, pois a técnica é, como sabemos ou devíamos saber, moralmente neutra ou, por outras palavras e ilustrando, o cutelo da cozinha não é bom nem mau; ele pode é ser usado para esquartejar um frango ou uma pessoa). Ora, parece-me que é isso precisamente que as "crises" geralmente são, em especial quando é o grande estado-empresa ou empresa-estado a anunciá-las ou a dar conta delas.

   Por "crise" entenda-se então: o juris-mergulho (do "pato de Goethe") e (re)concentração da fortuna. Juris-mergulho porque, a haver ou sobrar ainda alguma lei capaz de eficazmente proteger da infinita ambição do grande a ambição do pequeno-que-caminha-para-médio, ela tende rapidamente a esfumar-se ou, como dizem, a perder o seu efeito). "Crise" é assim um baralhar e dar de novo, mas sempre, para uns poucos, a multiplicar por muito. Depois das "crises" as Cocktail do tempo, como valquírias, haverão uma e outra vez de cantar aos mortos: "O que passou, passou..."

   A próxima "crise", parece, está já aí à porta. A "itália" ("napolitanos" incluídos), o "brexit", os "ciberataques", a "rússia", as "coreias", etc. etc., - um infindável rol de juris-conceitos são, uma vez mais, de primordial impotância no vingar psicológico da "crise".
 
   Valdemar Rodrigues 
03-06-2018
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Doença mental aumenta dependência do tabaco
Drª Tânia Silva
Pressão arterial alta é fator de risco para o enfarte
Dr. Pedro Farto e Abreu
Não gosto de “certa” linguagem…
Fleming de Oliveira
O pólen e o Centro de “Boas Vindas” no Mercado Municipal
Carlos Bonifácio
Das "crises" do estado-empresa e da empresa-estado
Valdemar J. Rodrigues
Fumadores têm maior risco de desenvolver demência
Manuela Morais
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o