Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
O coronavírus COVID-19 vai tornar-se um problema grave em Portugal?
Sim
Não
Não sei/talvez
Edição Nº 52 Director: Mário Lopes Quinta, 10 de Fevereiro de 2005
Opinião
Afinal, o que é o dia de S. Valentim?

 Henrique Tigo

O famoso dia de S. Valentim ou o dia mais romântico do ano é comemorado no dia 14 de Fevereiro. Esta celebração tem origem provavelmente numa antiga festa romana chamada Lupercalia. Era celebrada, no dia 15 de Fevereiro, em honra de Lupercus, um dos deuses romanos, mas começou a ser chamada Dia de S. Valentim devido ao nome de um padre.

As comemorações de 14 de Fevereiro, dia de S. Valentim, como dia dos namorados, têm várias explicações - umas de tradição cristã, outras de tradição romana, pagã. De facto, o Imperador Cláudio II terá ordenado aos soldados romanos que não casassem. Como corre a lenda, um padre católico de nome seu Valentim, terá casado jovens soldados, secretamente, e, em consequência desse acto, terá sido degolado no dia 14 de Fevereiro, véspera da celebração romana Lupercalia. Depois da sua morte, o padre Valentim foi considerado santo.

Quando Roma se tornou mais cristã, a Igreja alterou a celebração da Primavera de 15 de Fevereiro para 14 - o dia de S. Valentim. Contudo a versão oficial da Igreja Católica é que existem três santos com o nome Valentim, mas o santo dos namorados pensa-se ter vivido no século III, em Roma, tendo morrido como mártir no ano 270, talvez devido a este acto.

Em 496, o papa Gelásio reservou o dia 14 de Fevereiro ao culto de S. Valentim.
Contudo, em volta da lenda de S. Valetim existem algumas variantes que acrescentam pormenores a esta história. Segundo uma delas, enquanto estava na prisão Valentim era visitado pela filha do seu guarda, com quem mantinha longas conversas e de quem se tornou amigo. No dia da sua morte, ter-lhe-á deixado um bilhete dizendo «Do teu Valentim».

Ainda na tradição pagã, que pode fundir-se com a história do mártir cristão: na Roma Antiga, celebrava-se a 15 de Fevereiro (que, no calendário romano, coincidia aproximadamente com o início da Primavera) um festival, os Lupercalia. Na véspera desse dia, eram colocados em recipientes pedaços de papel com o nome das raparigas romanas. Cada rapaz retirava um nome, e essa rapariga seria a sua «namorada» durante o festival (ou, eventualmente, durante o ano que se seguia).

Mas com a cristianização progressiva dos costumes romanos, a festa de Primavera, comemorada a 15 de Fevereiro, deu lugar às comemorações em honra do santo, a 14 de Fevereiro. Contudo, existe ainda quem defenda que o costume de enviar mensagens amorosas neste dia não tem qualquer ligação a S. Valentim, mas se deve ao facto de assinalar o princípio da época de acasalamento das aves. Normalmente estes cartões são anónimos e a pessoa que o recebe deve tentar descobrir quem o enviou.

Os casais de namorados e os casados também oferecem cartões e presentes além de um belo jantar romântico num qualquer restaurante romântico de Portugal. Hoje em dia e em pleno século XXI, o dia de S. Valentim é comemorado em muitos países do mundo como pretexto para os casais de namorados trocarem presentes tornando-se especial mas por motivos comerciais. Quanto a mim não deixa de ser o dia mais romântico do ano e em muitos caso o único dia do ano em que os casais arranjam um verdadeiro pretexto para se lembrarem daquilo que no resto do ano esquecem que se amam... e que existe a mais bonita palavra do mundo: o Amor!


            Henrique Tigo

10-02-2005
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
EDITORIAL
Óbidos, as escolas e o TGV
OPINIÃO
Os Brâmanes
Comics americana vs tradição portuguesa no Carnaval nocturno da Benedita... e divagações de uma mente atenta...
Inês de Castro, por António Cândido Franco*
Afinal, o que é o dia de S. Valentim?
O "general sem medo" ensombra ainda a memória portuguesa
Vende-se, trespassa-se, cede-se
Inês, Memória e Futuro
S. Valentim
O Terramoto de Lisboa e a invenção do mundo
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o