Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Concorda com a legalização da eutanásia?
Sim
Não
Não sei/talvez
Edição Nº 77 Director: Mário Lopes Quinta, 1 de Março de 2007
Opinião
Criação de incentivos aos casais para aumento da natalidade

     


João Paulo Pedrosa

A Europa e Portugal em particular vivem, de há muito, uma grave crise de natalidade. No nosso caso a situação é ainda mais grave dado que Portugal é, neste momento, o país com a mais baixa natalidade de todos. As mulheres portuguesas têm em média 1,4 filhos, ao passo que a França tem cerca de 2, a Irlanda 1,88 a Finlândia, a Dinamarca e o Reino Unido, todos com 1,8. Por estes dados constata-se que Portugal não assegurará a renovação de gerações (nascendo cerca de 60 mil bebés a menos por ano) e o envelhecimento da população vai aumentando exponencialmente, existindo já hoje cerca de 110 idosos por cada 100 jovens até aos 14 anos.

 

      A continuar assim, sem quem haja um aumento muito significativo da natalidade que inverta esta situação, daqui a 50 anos a população portuguesa poderá diminuir até aos 7,5 milhões de habitantes quando, por exemplo, para suportar as pensões de reforma do pensionistas, ao ritmo de envelhecimento actual, precisaríamos de 32 milhões de habitantes. Apesar das modificações que se vão dando nos limites da idade da reforma, assim como o aumento muito significativo do número de emigrantes (inevitável e desejável num cenário destes), esta situação da natalidade em Portugal é totalmente inaceitável, diria mais, representa um terramoto na estrutura do país como Nação e como Estado viável.

      Urge inverter este estado de coisas e, é verdade, para além de meros paliativos, aqui e ali, rotulados de preocupações a favor da natalidade, o Estado português não tem feito nada para inverter esta situação. O país precisa que se façam mais filhos, mas também que seja mais fácil a tarefa de cuidar deles. Neste sentido defendo que a prioridade das políticas sociais e de prestações vá para a natalidade começando, desde já, a distinguir três etapas fundamentais:

1º - Garantir, no prazo de 10 anos, uma rede de cobertura nacional de creches (0 aos 3 anos) à semelhança do que se fez na década de 90 para o pré-escolar, aproveitando o novo quadro comunitário de apoio;

2º - Garantir mecanismos de discriminação positiva (e progressiva) a quem tiver mais que dois filhos, quer seja na conciliação da vida profissional e familiar (licenças, flexibilidade de horário, tele-trabalho, etc.), quer seja nos encargos familiares (saúde, água, luz, resíduos sólidos, manuais escolares) quer seja ainda através do reforço muito significativo destas prestações sociais em detrimento de outras;

3º - Definir uma política fiscal (taxas e benefícios) cujo incentivo à natalidade, a partir do segundo filho, pese significativamente no orçamento das famílias e não como acontece actualmente onde a diferença entre ter um ou cinco filhos representa apenas mais 40 euros ao fim do mês;

      O aumento da natalidade em Portugal - mais 165 bebés por dia - é fundamental para alcançar uma sociedade de bem-estar, para garantir a solidariedade entre gerações e é essencial para fomentar o crescimento económico. Portugal, não pode estar, pois, condenado ao definhamento, deixando morrer assim o seu futuro. Contribuir para que isso não aconteça é a tarefa de todos, da sociedade, da política e, sobretudo, da cidadania.

      João Paulo Pedrosa
Presidente da Federação Distrital de Leiria do Partido Socialista
 

01-03-2007
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Salazar, fantasma do passado
por Henrique Tigo
Uma escultura que nasce arquitectura
Charters Monteiro
Museus de Futuro: Uma Visão sobre os Transgénicos
Valdemar Rodrigues
Perdemos uma batalha mas não perdemos a guerra
Mariana Mendia
Palavras Soltas
José Pires
Criação de incentivos aos casais para aumento da natalidade
João Paulo Pedrosa
O Mosteiro de Santa Maria da Vitória – Batalha
Júlio Órfão
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o