Google
Mantenha-se actualizado.
Subscreva a nossa RSS
Twitter Tinta Fresca
Como classifica o nível da pandemia em Portugal?
Normal que haja surtos pontuais
Anormal e a culpa é do Governo
Anormal e a culpa é do comportamento das pessoas
Não sei
Edição Nº 232 Director: Mário Lopes Quinta, 4 de Junho de 2020
Inquérito AHRESP
Restauração reabre com receitas abaixo de 10% e alojamento turístico prevê meses dramáticos
   
54% das empresas de restauração não vão
 conseguir suportar os encargos habituais
Os resultados apurados no inquérito da AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal revelam um cenário sombrio para os setores da restauração e bebidas e do alojamento turístico. O Inquérito realizado pela Associação às empresas entre 31 de maio e 3 de junho obteve 1.510 respostas válidas, revelando um cenário dramático para os próximos meses.

  No setor da restauração e bebidas, 36% das empresas não reabriram a 18 de maio. Para aquelas que reabriram, cerca de metade registou uma faturação média abaixo dos 10% das receitas habituais.

   Segundo a AHRESP, as perspetivas para os meses de verão são dramáticas. 54% não vão conseguir suportar os encargos habituais (pessoal, energia, fornecedores e outros) já em junho, e 36% ponderam avançar para insolvência. Quanto aos salários de maio, 16% das empresas não conseguiram efetuar o pagamento e 15% só o fez parcialmente.

   Relativamente ao emprego, mais de 90% das empresas da atividade da restauração e bebidas não efetuaram despedimentos nos últimos 3 meses (março a maio). Contudo, 73,5% das empresas não sabem se vão conseguir manter o total dos seus trabalhadores até ao final do ano.

   Relativamente aos pedidos de financiamento, cerca de 33% das empresas com processos aprovados ainda não tinham o dinheiro disponível no final de maio. O pagamento de salários foi o motivo mais referido pelo qual as empresas recorreram a financiamento.

   Para as empresas do alojamento turístico o cenário é igualmente preocupante, pois 49% continuavam encerradas no final do mês de maio.

   A tradicional “época alta” será devastadora, com 30% dos inquiridos a perspetivarem uma taxa de ocupação máxima de 25%. Perante este cenário, 18% das empresas de alojamento ponderam avançar para insolvência.

    No que a salários e emprego diz respeito, 32% das empresas de Alojamento não conseguiram cumprir com os compromissos salariais e 10% só efetuou uma parte. Apesar de mais de 90% não ter efetuado despedimentos nos últimos 3 meses (março a maio), 63% das empresas não sabem se vão conseguir manter o total dos seus trabalhadores até ao final do ano.

   Sobre os apoios financeiros, cerca de 35% das empresas do alojamento com processos aprovados ainda não tinham o dinheiro disponível no final de maio. O pagamento de salários foi também o motivo mais referido pelo qual as empresas recorreram a financiamento.
 
   Fonte: AHRESP
04-06-2020
« Voltar

Comentários

Nome:*
Email:*
Comentário:*

* Obrigatório
Ao comentar aceita automaticamente a
política de utilização deste portal.
Para que o seu comentário seja válido deve preencher todos os campos acima indicados como obrigatórios. O email é usado apenas para efeitos de verificação e não será exibido com o comentário. Os comentários deste portal são moderados, pelo que são sujeitos a verificação antes de serem publicados. Não serão aceites comentários de carácter insultuoso, discriminatório, racista ou spam.
Pesquisar
Ed. Anteriores
Contactos
Newsletter
 
Cartas ao Director
Blogue Tinta Fresca
Blogues
Sítios Úteis
 
OPINIÃO
Cuidados a ter com a postura em situação de teletrabalho
Dr. Francisco Oliveira Freitas
A importância do uso racional dos antibióticos
Dr. Ricardo Jorge Silva
Entrar na primavera com bons olhos
Dr. Raúl Sousa
Sugestões de viagem pela nossa região no verão
Por Andrew Balza
 

Projecto Co-Financiado por  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associa��o de Munic�pios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informa��o